MPDFT ajuíza ação contra o Banco Inter por vazamento de dados pessoais

Valor da indenização pode chegar a R$ 10 milhões

DivulgaçãoDivulgação

atualizado 31/07/2018 20:18

A Comissão de Proteção dos Dados Pessoais do Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) ajuizou, na segunda-feira (30/7), ação civil pública por danos morais coletivos contra o Banco Inter S/A. O banco pode ser condenado ao pagamento de R$ 10 milhões, a título de indenização, em razão de não ter tomado os cuidados necessários para garantir a segurança dos dados pessoais de seus clientes e não clientes. O valor deverá ser revertido ao Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDD).

Em maio, o MPDFT instaurou inquérito civil público para investigar o vazamento dos dados pessoais dos clientes da instituição. Na investigação, foi constatado o comprometimento dos dados cadastrais de 19.961 correntistas do Banco Inter. Dessas, 13.207 contêm dados bancários, como número da conta, senha, endereço, CPF e telefone. Outros 4.840 dados de clientes de outros bancos que fizeram transações com usuários do Inter também foram comprometidos.

Também ficou confirmada a exposição dos certificados digitais, já revogados, e da chave privada do banco. As informações foram comprovadas pelo Centro de Produção, Análise, Difusão e Segurança da Informação (CI) do MPDFT.

As tentativas de encobrir o incidente de segurança, promovidas pelo Banco Inter, geraram prejuízos morais e insegurança aos clientes, não clientes, investidores, acionistas, ecossistemas de Fintechs e Startups brasileiros de dados, bem como na confiabilidade da migração dos serviços de processamento, armazenamento e de computação em nuvem das instituições financeiras

Promotor de Justiça Frederico Meinberg, coordenador da Comissão de Proteção dos Dados Pessoais do MPDFT

(Com informações do MPDFT)

Últimas notícias