DF está sem 14 reagentes, injetáveis e medicamentos de intubação

Secretaria de Saúde afirma que vem tentando comprar os produtos desde 2020, mas as licitações fracassaram

atualizado 03/11/2021 23:05

remedio medicamento saude comprimido alopadaMyke Sena/Esp. Metrópoles

A Secretaria de Saúde está sem estoque de reagentes, medicamentos injetáveis e aqueles utilizados para auxiliar na intubação de pacientes. De acordo com informações do site InfoSaúde, já não há nenhuma unidade de pelo menos 14 produtos diferentes.

Em alguns casos, o último reabastecimento da rede pública ocorreu ainda em 2020 e desde então a rede sofre com a falta de antiarrítmicos, anestésicos e relaxantes musculares. O cloridrato de dopamina, por exemplo, foi comprado pela última vez em 13 de março do ano passado.

A falta de medicamentos é problema antigo e entrou na mira do secretário general Pafiadache. Em 24 de setembro ele criou um gabinete de crise para resolver o problema dos insumos. Na época ele disse “Se é uma coisa que está me preocupando hoje é a necessidade de insumos para alguns setores críticos”.

Em março, o Metrópoles já havia denunciado o problema. Quase oito meses depois, o número de produtos sem estoque diminuiu em apenas um. Eram 15 e passou para 14.

Confira abaixo o nome de cada um medicamentos que estão em falta

 

O que diz a Saúde

Procurada, a Secretaria de Saúde informou que assinou contrato recente de compra de reagentes. “A empresa responsável pelo fornecimento já começou a entregá-los, a instalar os novos equipamentos e a treinar as equipes da SES”.

Sobre os medicamentos em falta, a pasta disse que “vem tentando fazer a compra em sucessivos processos, desde 2020, antes mesmo do estoque ser zerado. No entanto, não obteve êxito nas licitações regulares que fracassaram por falta de propostas de empresas fornecedoras. Um processo emergencial está em andamento”.

Por fim, afirmou que “o reagente de laboratório Procalcitonina fracassou no último Pregão Eletrônico e já foi inserido em novo processo de aquisição regular”.

Mais lidas
Últimas notícias