DF e GO: estelionatário fingia ser delegado da PF para enganar vítimas

Homem foi preso pela Polícia Civil do DF em Bertioga, São Paulo, após dar golpe em pelo menos 19 pessoas em Brasília e Caldas Novas (GO)

Divulgação/PCDFDivulgação/PCDF

atualizado 12/08/2019 17:03

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), por intermédio da 9ª DP (Lago Norte), prendeu Ricardo Ferreira da Silva, 41 anos, conhecido como “estelionatário do amor”. O homem, de acordo com as investigações, chegou a se passar por delegado da Polícia Federal para conquistar a confiança de suas vítimas, entre elas, a própria namorada, ameaçada de morte para que o colocasse como sócio de seu estabelecimento comercial, localizado em Caldas Novas (GO).

Silva foi preso na cidade de Bertioga, litoral de São Paulo, em razão de mandado de prisão preventiva, quando se preparava para aplicar golpe em uma empresária. Segundo a delegacia, ele é apontado como autor de pelo menos 19 ocorrências policiais relacionadas a fraudes diversas, sendo 16 delas registradas no DF e na cidade de Caldas Novas.

Os investigadores relatam que Silva recorria até mesmo a igrejas para alcançar mais vítimas. “Se apresentava como alguém íntegro, de bons valores e honesto. E, com sua boa lábia, convencia os frequentadores.”

Um dos casos investigados trata-se de negociação de compra e venda de um automóvel. Ele ofereceu um carro de sua propriedade como parte do pagamento e, posteriormente, a adquirente verificou que o veículo possuía vários débitos que não haviam sido informados. Nessa negociação, ele falsificou comprovantes de pagamento de multas para que a compradora realizasse a transferência sem suspeitar dos débitos que estava adquirindo (a transação envolvia automóveis das duas partes).

Em outros casos, ele apresentou-se para vítimas como delegado da Polícia Federal para vender veículos que não eram seus (simulava aquisições de carros em concessionárias fazendo uso de um CNPJ e, posteriormente, utilizava a documentação para revender os automóveis).

Em Caldas Novas, o acusado, de acordo com a PCDF, teria adquirido fraudulentamente uma panificadora, deixado de efetuar o pagamento pela compra do estabelecimento, subtraído todo o maquinário da padaria e empreendido fuga para local ignorado sem pagar os salários e direitos trabalhistas dos funcionários.

“Após a decretação da prisão preventiva pela 3ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do DF e dos Territórios (TJDFT), policiais da Seção de Investigação Geral da 9ª DP realizaram diligências por cerca de 30 dias nas cidades de Brasília, Caldas Novas e Morrinhos. O foragido foi encontrado na via pública de uma cidade do litoral paulista”, explicou o delegado Tiago de Oliveira.

Últimas notícias