DF: candidatos surdos poderão fazer provas de concurso com intérprete

Projeto aprovado pela Câmara Legislativa autoriza mudança na lei distrital de concursos públicos. Entenda quais serão as possibilidades

atualizado 02/12/2022 9:16

Pessoa escrevendo em caderno em primeiro plano. Em segundo plano, outras pessoas estudam em uma sala de aula - Metrópoles Leo Munhoz/Arquivo NSC

O Governo do Distrito Federal (GDF) publicou no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) desta sexta-feira (2/12) alteração na lei distrital que estabelece normas para realização de concursos públicos na capital do país. Agora, deficientes auditivos têm direito a fazer o exame acompanhados por profissional habilitado em Língua Brasileira de Sinais (Libras) ou com prova em vídeo.

Desse modo, o GDF fica obrigado a gravar todo o conteúdo da prova em Libras. Tanto o cabeçalho das questões quanto as alternativas. A mudança foi aprovada pela Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) em outubro último.

A proposta de alteração partiu do deputado distrital Daniel Donizet (PL). Até então, o texto da lei dava a opção entre disponibilidade de profissional habilitado ou prova gravada na linguagem de sinais.

Essa brecha, segundo reclamação de ativistas de movimento da população surda, era prejudicial, pois nem todos os deficientes auditivos são fluentes na língua portuguesa, e os intérpretes atuavam apenas para explicar pontos das provas, não traduzi-la integralmente.

Mais lidas
Últimas notícias