Após as chuvas fortes que atingiram o DF, moradores de Samambaia tiraram a tarde desta quarta-feira (6/2) para contabilizarem os prejuízos causados pela precipitação. Ao todo, 30 casas nas quadras QR 123, QR 327 e QR 512 foram atingidas, de acordo com balanço realizado pela Subsecretaria de Sistema da Defesa Civil do Distrito Federal.

Na cidade, a Defesa Civil promoveu um mutirão para prestar assistência a 14 famílias. A partir de doações, a pasta foi capaz de repassar 27 colchões, 35 cobertores e 10 cestas básicas para os moradores mais afetados.

Maria José Pereira, 78 anos, foi uma das vítimas das fortes chuvas. Moradora da QR 512, a aposentada sofreu avarias graves no telhado e perdeu, segundo conta, 18 telhas que cobrem sua casa. “O mais importante, graças a Deus, é que ninguém se machucou. Meu filho foi hoje procurar a Administração de Samambaia e disseram que vão dar uma ajuda financeira. Se não conseguir esse dinheiro, não sei o que vou fazer”, contou.

 

Na mesma quadra, no Conjunto 2, as telhas das casas vizinhas voaram e atingiram os canos da caixa-d’água da inquilina Sônia Maria Siqueira, 50. “Agora, estou aqui arrumando o estrago”, disse ela à reportagem enquanto reparava o forro do telhado que caiu.

Duas quadras antes da casa de Sônia, na QR 510, Mansueto Freire Freitas, 64, acordou “cedo para pegar os pedaços”. “Aqui em casa foram 10 telhas embora. O vendaval levou as peças de amianto e me deu esse prejuízo, além de ter molhado os móveis daqui. Mas eu vou fazer o quê?”, reclamou.

Além dos destelhamentos, a cidade sofreu com as quedas de árvores. Segundo o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal, das 14 que caíram entre terça (5) e quarta-feira (6), oito ocorrências aconteceram apenas em Samambaia.

Granizo e enxurrada
O temporal também causou prejuízos de menor intensidade em Águas Claras, Guará e Vicente Pires. Na terça (5/2), o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu alerta de chuvas intensas com perigo potencial de inundações e ventos que chegaram a 60 km/h.

Em Águas Claras, moradores foram surpreendidos com o temporal e registraram queda de granizo e alagamentos. O Corpo de Bombeiros também foi acionado para retirar árvores que não resistiram ao vento forte e caíram.

Confira:

Líder de problemas de infraestrutura, Vicente Pires também sofreu com o temporal e as fortes enxurradas (veja abaixo), que já viraram rotina para os moradores.

Em 2018, a população viu atônita uma caminhonete ser engolida por uma cratera formada com a força da água das chuvas.