Clamando por justiça, manifestantes fecham rua de Águas Claras

O grupo prestou homenagens ao entregador Rodrigo Souza, 25 anos, morto a facadas por um assaltante

ReproduçãoReprodução

atualizado 26/10/2019 22:00

Dez dias após a morte do entregador esfaqueado durante um assalto em Águas Claras, um grupo de aproximadamente 20 pessoas parou o trânsito da Avenida Araucárias para gritar por justiça a Rodrigo Souza Borges (foto em destaque), 25 anos. Os manifestantes levaram cartazes e vestiam camisetas com a foto da vítima, que perdeu a vida tentando evitar a fuga do homem que roubou uma drogaria.

A Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) compareceu ao local para retirar as pessoas da pista e liberar o trânsito. O protesto durou alguns minutos, mas foi suficiente para gerar um longo engarrafamento. Não houve confronto entre os manifestantes e os militares.

Rodrigo morreu em 17 de outubro deste ano. Ele foi golpeado por em Joelton Alves da Silva, 37, que foi preso em flagrante. O entregador chegou a ser socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas não resistiu à cirurgia. Na ocasião, outro homem também foi esfaqueado pelo assaltante. Daniel Sampaio Pinho, 28, foi levado ao hospital, mas sem risco de vida.

Além de trabalhar como entregador de comida por aplicativo, o jovem estudava educação física na Uniplan. Ele morava com a avó em Águas Claras e fazia entregas para ajudar no sustento da filha, de dois anos. Segundo a família, o jovem tinha o sonho dar aulas para crianças autistas.

Últimas notícias