Aeroporto JK: greve dos caminhoneiros restringe pousos e decolagens

Com estoque de combustível quase zerado, somente aviões com tanque cheio estão autorizados pela Inframerica a entrar no terminal

Michael Melo/Metrópoles

atualizado 23/05/2018 21:58

Além de afetar o abastecimento de gás e zerar o estoque de álcool nos postos, os protestos dos caminhoneiros mexem com a rotina do Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek. De acordo com a Inframerica, administradora do terminal, a reserva de Querosene de Aviação (QAV), combustível das aeronaves, só dura até o fim da tarde desta quarta-feira (23/5).

Diante da situação, a administração do terminal decidiu restringir pousos e decolagens, após reunião realizada com as companhias aéreas nesta quarta. “Somente pousarão no Aeroporto de Brasília aeronaves com capacidade para decolar sem a necessidade de abastecimento”, disse a Inframerica, por meio de nota.

Quem tiver voo marcado deve buscar as companhias aéreas para mais informações. A recomendação foi divulgada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) à noite. O problema afeta todo o país, uma vez que o terminal de Brasília é ainda o terceiro mais movimentado do Brasil. Cerca de 50 mil pessoas passam pelo Aeroporto JK todos os dias.

A frota de caminhões responsável por trazer o QAV para o terminal está retida no Entorno do DF desde o começo da semana. Somente às 17h30 desta quarta, cinco caminhões com 45 mil litros de querosene de aviação cada chegaram ao Aeroporto de Brasília. Eles foram escoltados pelo Polícia Rodoviária Federal (PRF). Mesmo assim, o contingenciamento de pousos e decolagens continua em vigor.

A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) demonstra preocupação com os impactos da greve dos caminhoneiros para a aviação comercial. “Haverá impactos para as operações aéreas nas próximas horas em decorrência da falta de abastecimento de combustível em alguns aeroportos brasileiros. Ainda não é possível contabilizar o número de voos ou rotas impactadas”, disse a associação em nota.

A Abear orienta os passageiros a procurar o status de voo junto às empresas antes mesmo de se dirigirem ao aeroporto. A medida serve como forma de antecipar aos passageiros possíveis atrasos e cancelamentos.

Bloqueio
Com base em informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), por volta das 12h desta quarta, os caminhoneiros bloqueavam a BR-060, na altura do Km 30 do Engenho das Lajes. Nenhum carro podia passar no sentido Brasília.

No mesmo horário, havia na mencionada rodovia manifestação nos dois sentidos, próximo à Alexânia e no Km 13, na altura do posto Asa Branca. No Km 98 da BR-050, perto de Cristalina (GO), alguns caminhoneiros estão impedindo a passagem de determinados veículos, como ônibus.

Na BR-020, há três pontos de interdição na altura de Formosa: Kms 1, 10 e 13. No fim da tarde, os caminhoneiros fecharam a pista nos dois sentidos, causando congestionamento quilométrico.

Segundo a PRF, há relatos de ameaças a caminhoneiros que tentam deixar o protesto na 020. No Km 57, na divisa entre Brasília e Goiás, os policiais constataram a presença de máquinas agrícolas e caminhoneiros. Há ainda manifestação nas BRs 040 e 070.

Últimas notícias