Dois empresários moradores do Lago Sul envolveram-se em uma briga dentro da 10ª Delegacia de Polícia (Lago Sul), na noite desta quarta-feira (15/05/2019). As vítimas foram dois advogados e dois policiais da DP. Segundo o delegado-adjunto da 10ª DP, Eder Charneski, os defensores levaram socos e tapas, enquanto os agentes sofreram arranhões. Todos foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML).

Ainda de acordo com Charneski, os irmãos Athos e Alan Vieira Diniz, de 47 e 41 anos, respectivamente, teriam se desentendido com os advogados de um escritório que defende a família deles há cerca de duas décadas.

A causa, referente a uma indenização, está estimada em cerca de R$ 130 milhões. O motivo do desentendimento, segundo o delegado, foi a falta de acordo entre dois escritórios de advocacia sobre os honorários da ação.

Charneski, contudo, não entrou em detalhes sobre o processo, mas disse que dois escritórios não chegaram a um acordo a respeito da divisão de cerca de R$ 11 milhões em honorários.

Nesta quarta-feira (15/05/2019), os irmãos pressionaram os representantes de uma das empresas advocatícias a assinar uma proposta de divisão. Devido justamente a esse impasse, a indenização dos R$ 130 milhões ainda não foi liberada, daí a irritação de Athos e Alan.

“Eles estavam discutindo isso pelo telefone. Os dois irmãos, então, foram até o escritório, mas os advogados já estavam em casa. Athos e Alan falaram que iriam matá-los, que iriam quebrar tudo, e os advogados disseram que registrariam a ocorrência”, contou o delegado ao Metrópoles.

Os dois advogados foram à 10ª DP. Pouco tempo depois, acrescentou o delegado, Athos e Alan entraram na unidade policial e bateram nos advogados que registravam boletim de ocorrência. “Eles chegaram à delegacia brigando e derrubaram o computador do balcão. Os policiais precisaram segurá-los e acabaram feridos, pois os irmãos ofereceram resistência”, disse Charneski.

Prisão em flagrante
Athos e Alan Vieira Diniz foram autuados por dano qualificado a bem público, resistência, lesão corporal e ameaça. Eles terão de aguardar presos pela audiência de custódia na Justiça, que deve ocorrer na manhã desta quinta (16/05/2019), de acordo com o adjunto da 10ª DP.

Ainda segundo Charneski, os irmãos seriam levados para a central de flagrantes da 1ª DP (Asa Sul) ainda na noite desta quarta-feira (15/05/2019) e, na manhã de quinta, devem seguir para a carceragem do complexo do Departamento de Polícia Especializada (DPE).

“Vamos apresentá-los ao juiz de custódia e ele é quem vai decidir pela liberdade provisória com ou sem fiança”, afirmou o delegado.

O Metrópoles conversou com uma das advogadas que representa os irmãos Diniz e que foi à delegacia após a confusão. Ela, no entanto, disse que não se manifestaria sobre a prisão dos clientes.