7 de Setembro: Esplanada recebe manifestantes contra e a favor de Bolsonaro

Ato cênico marcou protesto em nome da democracia, em frente ao Teatro Nacional. Apoiadores do presidente se reuniram do lado oposto

atualizado 07/09/2020 12:32

Manifestação 7 de setembro 2020 Esplanada dos ministérios - A favor de BolsonaroHugo Barreto/Metrópoles

A Esplanada dos Ministérios não teve o tradicional desfile de 7 de Setembro este ano por causa das medidas contra o novo coronavírus. Mesmo assim, a via foi ocupada durante o feriado. Manifestações contra e a favor do atual governo federal tomaram conta do local durante a manhã desta segunda-feira (7/9).

De um lado, apoiadores do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) se reuniram entre o Museu da República e a Biblioteca Nacional, em apoio ao presidente. No gramado entre o Teatro Nacional e o Museu, integrantes das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo se juntaram ao Grito dos Excluídos para a realização de um ato cênico performático.

A ação, segundo organizadores, foi pela defesa da democracia brasileira e dos direitos e para denunciar retrocessos sociais, econômicos e ambientais no país. A manifestação durou aproximadamente uma hora. Logo depois, todos foram embora. Aqueles a favor de Bolsonaro também falaram em defesa da democracia e fizeram uma passeata até o Congresso Nacional.

Veja vídeo:

“Organizamos (o ato) em alas e cada uma delas faz denúncia a uma situação que a população brasileira vive atualmente. Estamos em defesa das minorias, dos negros, das mulheres, do público LGBT e da Constituição”, disse um dos diretores da manifestação, o dramaturgo Zé Regino, 58 anos.

“A nossa intenção é de que o manifesto fosse gravado e, a partir de agora, se espalhe e alcance os brasileiros pela internet. O objetivo é que todos se juntem ao movimento, é provocar que as pessoas se posicionem diante do ‘Fora Bolsonaro’. Fizemos tudo de forma cênica, silenciosa e respeitando as regras impostas pela pandemia do novo coronavírus, como o distanciamento social”, explicou Regino.

A atriz Débora Aquino, 49, participou do protesto. “A ideia é chamar atenção para o desmonte total de todas as instâncias no Brasil. Desde as éticas e morais até pela perda de todos os direitos trabalhistas. Participei da abre alas que remetia aos ratos no poder. Rasgamos a Constituição que é o que a gente acredita que está acontecendo hoje.”

0

“Pela pátria amada”

Enquanto isso, os apoiadores do presidente Bolsonaro começaram a descer a Esplanada em direção ao Congresso Nacional. Com mais gente do que o ato performático contra o governo, o grupo começou a se movimentar na Biblioteca Nacional a partir das 10h40.

Um dos participantes, o dentista Eliseu Moraes, 50, compareceu ao ato. “Estamos aqui em defesa da democracia. Para proclamar o nosso amor pelo Brasil e a favor do nosso presidente da República. Não ao comunismo. Hoje é o dia da Independência do Brasil. Viemos demonstrar o nosso amor ao Brasil. Pela pátria amada”, opinou.

A empresária Catharine Milagres, 40, trouxe a família de Santa Catarina para participar do protesto na Esplanada neste 7 de Setembro. “Trouxe meu filho Pietro de 7 anos e o meu marido. Não havia dia melhor para estar em Brasília, no centro do poder, nesse dia simbólico”.

Ela tinha se programado para participar do tradicional desfile. “Como não teve, mas acreditávamos que haveria o ato pelo nosso presidente, optamos por vi assim mesmo. Estamos aqui pelo amor ao Brasil. Comemorando a Independência e a pátria. A festa hoje é do povo brasileiro. Pela nossa liberdade.”

Últimas notícias