Sobreviventes dão conselhos a quem enfrenta o câncer de mama

Convidei seis mulheres que enfrentaram o desafio para dividir experiências com outras

atualizado 31/10/2017 9:12

istock

Hoje é o último dia do Outubro Rosa, mês destinado à conscientização da população sobre o câncer de mama. A campanha tem um importante papel na redução da mortalidade pela doença. Ao longo desse período, falamos exaustivamente dos perigos e da prevenção. Gostaria de fechar o ciclo discutindo a vida. Falando de vitória.

Então, convidei seis mulheres que sobreviveram a esse desafio para dar conselhos a outras que estão encarando o câncer de mama. Conectar quem está atravessando esse túnel escuro, como diz a bailarina Marília Cristina, com quem já voltou à luz.

Tem dias que caímos na ilusão de que somos frágeis, de que a vida nos escapa pelas mãos. Mas, ao ler os relatos dessas mulheres, você talvez se dará conta, como eu, do tamanho do seu engano. Somos a própria substância da resistência.

1) Uma série de dicas bem práticas
“Se eu pudesse dar conselhos para uma mulher que hoje está enfrentando o câncer de mama, eles seriam bem práticos:

Pra começar, cuide bem da alimentação, coma bastante verdura verde escura e frutas, para não deixar a imunidade cair.

Durante a radioterapia, não deixe de hidratar a mama e corra do sol por uns três meses após o término, pois a mancha que fica nos seios pode se tornar permanente.

Quanto aos cabelos, uma boa dica é raspá-los novamente após o fim do tratamento, para ajudá-los a crescer fortalecidos. Recebi este conselho de uma amiga e, mesmo morrendo de medo, acatei. Em uma semana, percebi a diferença e os fios cresceram mais fortes. Deixe o couro cabeludo respirar, não precisa escondê-lo o tempo todo.

Para finalizar: aproveite o tempo para cuidar de si. As doenças físicas podem ter origem psíquica, mental, espiritual. Se tiver alguma religião, ore; caso contrário, medite. Faça leituras edificantes, vá a lugares bonitos, sinta a natureza. Perdoe a si mesmo e aos outros. Tente se curar como um todo.”

Conselhos da servidora pública Simone Fernandes, 37 anos, há um ano vencedora do câncer de mama.

2) Pense na doença como um túnel
“Tenha foco e mire no fim: é como estar em um túnel escuro, lá no fim existe luz. Se não consegue ver, crie essa iluminação, imagine como deseja estar no final do tratamento. Aposte na sua coragem. Carregamos dentro de nós a força de uma guerreira e somos capazes de nos defender, de nos proteger e de reagir quando caímos.”

Conselho da bailarina Marília Cristina da Costa e Silva, 33 anos, que venceu o câncer há 4 anos.

3) O amor-próprio vai além da aparência
“Quando nos vemos carecas, inchadas, sem sobrancelhas, gostar de si não é uma tarefa fácil. É preciso lembrar que esse sentimento transcende a aparência física. Podemos nos amar, por exemplo, seguindo as prescrições médicas, cuidando da nossa alimentação e, na medida do possível, fazendo exercício físico.”

Conselho da coordenadora de projetos Michelle Moraes Teodoro, 34 anos, que lutou contra o câncer há 1 ano.

4) Ocupe-se e, se precisar, encontre jeitos de fazer as pazes com o espelho
“Mantenha-se ativa. Eu pude continuar trabalhando e contei com a compreensão dos meus empregadores para tirar pequenas licenças durante a quimioterapia. Isso mudou o foco, não precisava pensar na doença o tempo todo.

Caso não possa trabalhar, busque hobbies e outras atividades compatíveis com esse momento que possibilitem conversar com pessoas, aprender coisas novas e ter esperança no pós-tratamento e no futuro.

Por último e não menos importante, aprenda truques para ficar de bem com o espelho. Não é fácil se ver tão diferente – o cabelo cai, o corticóide faz inchar, as reações alérgicas deixam a gente vermelha. Lenços, maquiagem (dentro da validade e antialérgica) e outros artifícios podem ajudar a animar os piores dias!”

Conselhos da jornalista Frances Baras, 35 anos, há três anos em remissão.

5) Reinvente-se
“Se redescubra além dos cabelos. Se reinvente. O que temos que passar, vamos passar. COMO PASSAR, isso, sim, podemos mudar. Faz toda a diferença.”

Conselho da advogada Germaine Tillwitz, de 33 anos, que superou o câncer de mama há cerca de um ano.

6) Aceite a tristeza quando ela vier
“Seja forte e positiva, mas se um dia acordar triste e não quiser conversar, também saiba se respeitar. Todos nós temos os nossos momentos difíceis e você também passará por isso. Faça o que tiver vontade. Quer sair? Saia. Prefere ficar quietinha em casa? Fique. Peruca? Use. Só não se desrespeite por causa dos outros e do que eles vão pensar.”

Conselho da advogada Fernanda Savino, 35 anos, que derrotou o câncer há dois.

Mais lidas
Últimas notícias