metropoles.com

Na contramão de outros países, Brasil proíbe o vape

Na Suécia, produtos alternativos como cigarros eletrônicos são regularizados, e a porcentagem de fumantes caiu de 15% para 5,6%

Getty Images/Reprodução
Regulamentação do Vaper no Brasil
1 de 1 Regulamentação do Vaper no Brasil - Foto: Getty Images/Reprodução

atualizado

Apesar da proibição pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) desde 2009, dados do Inteligência em Pesquisa e Consultoria Estratégica (Ipec) apontam que o consumo de cigarros eletrônicos aumenta ano a ano no Brasil – em 2023, o equivalente a 2,9 milhões de adultos consumiram os vapes (até 30 dias antes de responder à pesquisa). Em 2018, primeiro ano em que a pesquisa foi feita, o número era de menos de 500 mil. Ou seja, em seis anos, a adesão aumentou em quase 600%. 

Sem parâmetros, procedência e regras para fabricação, comercialização e importação, não é possível garantir que esses cigarros eletrônicos sejam uma alternativa de menor risco à saúde para adultos fumantes no Brasil, diferentemente do que ocorre em cerca de 80 países que já regulamentaram o produto.

“Os cigarros eletrônicos contrabandeados expõem as pessoas a riscos inimagináveis à saúde, pois não sabemos as substâncias inseridas no produto. É imperativo que a nossa autoridade máxima em vigilância sanitária, que é a Anvisa, faça uma regulamentação que atenda às expectativas dos consumidores”, pontua a ex-diretora da Anvisa e consultora científica da BAT Brasil, Alessandra Bastos.

O tema está em debate na Anvisa, que disponibiliza até 9 de fevereiro de 2024 uma Consulta Pública (CP 1.222/2023) para ouvir a sociedade sobre a regulamentação dos dispositivos. Enquanto o Brasil discute se regulamenta ou não, países como Canadá, Suécia e membros do Reino Unido criaram regras para que os cigarros eletrônicos sejam utilizados como ferramentas importantes para políticas de controle de uso do tabaco e redução de danos à saúde.

Na Suécia, as autoridades incentivam a substituição do cigarro convencional pelo eletrônico e outras alternativas, como sachês de nicotina. Como consequência, a porcentagem de fumantes caiu de 15% para 5,6% da população em 15 anos, colocando o país no caminho para alcançar o status de livre do fumo 17 anos antes da meta estipulada pela União Europeia, que é 2040.

Já o Ministério de Saúde da Inglaterra (NHS) divulgou a revisão de mais de 400 estudos científicos que comprovou que os vapes podem ser até 95% menos prejudiciais à saúde em relação ao cigarro comum. O relatório foi conduzido por pesquisadores do King’s College London. Os vapes são regulamentados no país há mais de uma década e o comportamento dos consumidores é monitorado constantemente. 

A proposta prevê, também, a proibição da publicidade e da divulgação, por meio eletrônico ou por meio impresso, ou de qualquer outra forma de comunicação ao público, consumidor ou não desses produtos.

O cenário internacional

A experiência internacional mostra que a regulamentação dos cigarros eletrônicos permite o acesso a informações científicas confiáveis, por meio de canais oficiais dos governos ou órgãos de saúde pública. 

Por exemplo, no Canadá, no site Health Canada há a explicação de que “o vape é mais eficiente que somente terapias de reposição de nicotina ou aconselhamento. Se você não consegue parar de fumar com métodos aprovados, substituir o cigarro convencional pelo uso dos vapes reduz significativamente a exposição a substâncias tóxicas da fumaça do tabaco”, reforça o texto. O Ministério da Saúde do Canadá, por exemplo, reitera a importância dos cigarros eletrônicos em políticas de redução de danos.

Já o site do Serviço Nacional de Saúde da Inglaterra (NHS) apresenta diversas dicas e informações para auxiliar as pessoas a parar de fumar. O governo inglês estimula os fumantes a buscarem produtos alternativos até encontrar o que mais funciona de acordo com a respectiva necessidade. O site reúne uma série de informações úteis para quem deseja parar de fumar, permitindo que o cidadão tome a decisão de forma segura e bem embasada.

No site disponível a toda a população, são esclarecidas informações sobre a comparação entre o cigarro convencional e vapes, como quantidade de nicotina, composição dos produtos, papel dos vapes para cessação do hábito de fumar, entre outras.

Regulamentação em debate na Anvisa

O prazo de contribuição da Consulta Pública da Anvisa vai até o dia 9 de fevereiro deste ano. Qualquer pessoa interessada poderá enviar contribuições ou comentários sobre a proposta de manutenção do banimento da fabricação, importação e comercialização desses produtos no Brasil, dentro desse prazo de 60 dias.

Ao fim do período de sugestões, a Anvisa avaliará as contribuições e divulgará o relatório final no portal oficial. Em paralelo, está em tramitação no Congresso Nacional um Projeto de Lei para a regulamentação dos cigarros eletrônicos no país.

* Vaporizadores e produtos de tabaco aquecido são produtos destinados a maiores de 18 anos, assim como o cigarro. Esses produtos não são isentos de riscos.

* A redução de riscos de vaporizadores e produtos de tabaco aquecido é baseada nas evidências científicas mais recentes disponíveis e desde que haja a substituição completa do consumo de cigarros tradicionais.

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações