“Ganho mais do que profissionais com doutorado”, revela gamer O atleta Leo Zigueira é um dos destaques da GameCon, conferência de jogos eletrônicos, que ocorre em Brasília até domingo (11/11)

Oferecimento

Até alguns anos atrás, jogar videogame era coisa de criança. Hoje, significa trabalho sério com carreira rentável. Prova disso é a trajetória de Leo Duarte Borges Pinto, atleta gamer
conhecido como Leo Zigueira, ou apenas “Zig”. O carioca começou a jogar profissionalmente aos 18 anos. À época, em 2006, a mãe achava uma loucura ver o filho matar as aulas do curso de Engenharia da Computação para passar horas em frente à tela.

A faculdade acabou dando lugar aos treinos e muitos campeonatos e títulos vieram em seguida. Atualmente, Leo Zigueira defende a camisa do Team Liquid, clube norte-americano, e é referência em um dos principais jogos da atualidade, o Rainbow Six Siege. A lista de títulos é grande. Para se manter em “forma”, o atleta dedica aproximadamente 10 horas por dia ao trabalho.

Gui Caelli

Leo Zigueira trabalha mais de 10 horas por dia, dentre treinos táticos e práticos, lives e até sessões com psicólogo

Questionado sobre o valor do contracheque atual, Zig tenta despistar. “Pega o salário de alguém com doutorado e aumenta um pouquinho”, diz. O pro player (como são chamados os jogadores profissionais) nega que a atividade se resume à recreação e chama a atenção para o esforço investido até ver a carreira alavancar. “Tem muita gente que acha que é só sentar e jogar, que é uma brincadeira. Mas está longe disso”, aponta.

O jogador é um dos destaques da primeira edição do GameCon, a maior convenção de jogos eletrônicos do Centro-Oeste. A programação teve início na última quarta-feira (7/11), no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, e vai até o próximo domingo (11/11). Mais de 25 mil pessoas deverão passar pelo local nos cinco dias de evento.


Nesta sexta-feira (9/11), começa um dos momentos mais aguardados pelo público, a GameCup, espaço dedicado aos eSports, competições de jogos eletrônicos. Estarão presentes grandes pro players da atualidade, como Felipe brTT, o maior jogador de League of Legends do Brasil (LoL); Micael Rodrigues, o “micaO”; e Gabriel “Revolta”, astro do Vivo Keyd, um dos mais importantes clubes profissionais de eSports do Brasil e do mundo.

A programação da GameCup também contará com a participação e narração de influenciadores e personalidades do mercado. Dentre eles, Willian “gORDOx”, pioneiro na narração de games no Brasil; Diego “Toboco” Pereira, narrador conhecido que já organizou 16 torneios de LoL no Brasil; e Bárbara Gutierrez, editora-chefe do Versus, um dos principais sites especializados em eSports do país.

Serão realizadas etapas finais de campeonatos, além de meet-and-greets
,
show matches
,
keynotes
e feira
geek
. O espaço abrigará uma arena com as finais dos campeonatos Overwatch GameCon Challenge 2018, no domingo, às 13h, e GameCon Challenge Female Counter Strike 2018, sábado, às 19h.

Além disso, o evento irá realizar um torneio sul-americano de CS:GO, que, pela primeira vez, levará a equipe vencedora ao campeonato mundial Starseries i-League Season 7, promovido pela Starladder. A 7ª edição ocorrerá em Kiev, na Ucrânia, e tem premiação no valor de 500 mil dólares.

Os ingressos custam a partir de R$ 40 a meia entrada (3º lote). A compra pode ser feita pela plataforma
Sympla
e no local do evento.

Mercado em ascendência

A cifra da premiação europeia impressiona tanto quanto o faturamento da indústria de games. O segmento é um dos que mais cresceu nos últimos anos, deixando para trás mercados tradicionalmente lucrativos, como os da música e do cinema.

Para se ter uma ideia, em 2016, somando todos os
devices
e plataformas, a indústria de games faturou US$ 91 bilhões em todo o mundo. No mesmo ano, os 100 filmes mais lucrativos fizeram, juntos, US$ 25,6 bilhões. Na lanterninha, está a música. Mesmo com o impulsionamento das plataformas de
streaming
, como o Spotify, a indústria fonográfica faturou US$ 15 bilhões em 2015*.

Neste ano, de acordo com a consultoria DigiCapital, a indústria dos videogames deve movimentar aproximadamente US$ 170 bilhões (o equivalente a R$ 550 bilhões) na economia mundial. A maior parte virá dos jogos para dispositivos móveis, como smartphones e tablets, que devem representar US$ 60 bilhões (R$ 190 bilhões).

No Brasil, os números também são expressivos. O mercado de jogos eletrônicos cresceu em todas as cinco regiões, segundo o 2º Censo da Indústria Brasileira de Jogos Digitais, realizado pela empresa Homo Ludens a pedido do Ministério da Cultura. De 2013 a 2018, o número de estúdios de desenvolvimento de games no Brasil passou de 142 para 375. Somente nos últimos dois anos foram produzidos 1.718 jogos no país, que ocupa a liderança da América Latina e o 13º lugar no ranking global.

Projeto gigantesco

Os games são um dos pilares da economia criativa no Brasil e vêm despontando como tendência no mercado de eventos, segundo a produtora executiva da GameCon, Ana Paula Peigon. “Foram dois anos de planejamentos, discussões, pesquisas e oficinas. A estrutura que o público vê aqui é só uma parte de um projeto gigantesco”, conta. A expectativa é que o evento tenha duas edições por ano. Para 2019, já está previsto um GameCon Day no mês de abril e outra edição em novembro.

JP Rodrigues/Metrópoles

Segundo Ana Paula Peigon, produtora executiva da Gamecon, a estimativa é de que, diariamente, cinco mil pessoas circulem pelo evento[/caption]

Segundo Ana Paula Peigon, produtora executiva da Gamecon, a estimativa é de que, diariamente, cinco mil pessoas circulem pelo eventoA intenção, segundo Ana Paula, é que o evento se torne um polo de geração de conteúdo de games e, paralelamente, seja um espaço de competições, com programação voltada tanto para os públicos B2B quanto para os entusiastas do segmento.

A descentralização dos eventos de games começou. A capital do Brasil está realizando o maior evento de games do Centro-Oeste. Brasília, até então, nunca tinha tido um evento ou campeonato na mesma proporção do que estamos realizando aqui.

Ana Paula Peigon, produtora executiva da GameCon

GameTalks

Termina nesta sexta-feira (9/11) a GameTalks, espaço com painéis, bate-papos e palestras voltadas à geração e ao compartilhamento de conhecimento sobre games. Participaram grandes nomes do mercado, como Leo De Biase, CEO da ESL Brasil; Beto Vides, fundador da eBrainz; Alessandra Dutra, psicóloga da Red Canids e preparadora mental do Comitê Olímpico Brasileiro; e Roberto Iervolino, CEO da Riot Games no Brasil.

GameCon

De 7 a 11 de novembro, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães (Eixo Monumental). Ingressos à venda on-line

*Fontes: Sites Superdata – Games & Interactive Media Intelligence, The International Federation of the Phonographic Industry (IFPI), Box Office Mojo, The Numbers e PricewaterhouseCoopers.