Enem 2019: confira cinco dicas de ouro para uma redação nota 1.000

O curso Escrita Única, recordista do DF em notas máximas na prova subjetiva do Enem, promove em 17 de outubro um aulão no Museu da República

Myke Sena/ Esp. MetrópolesMyke Sena/ Esp. Metrópoles

atualizado 26/09/2019 9:35

Falta pouco mais de um mês para o Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem. Na edição deste ano, as provas ocorrem em 3 e 10 de novembro. A redação será aplicada no primeiro dia e é uma das maiores preocupações dos estudantes, já que a nota tem peso determinante para o resultado final.

Sharlene Leite, fundadora do curso pré-vestibular Escrita Única (EU), é a única professora do Distrito Federal com duas redações “nota 1.000” no currículo. Na edição passada, apenas três alunas do DF entraram para o seleto grupo de estudantes que garantiram a nota máxima na prova escrita. Dessas, duas eram assistidas pela educadora. Em todo o país, dos mais de 4 milhões de inscritos no ano passado, somente 55 conquistaram a façanha. E 42 eram do sexo feminino.

Mas não são apenas as donas “do mil” que chamam atenção. No total, 93,3% dos alunos de Sharlene tiraram notas superiores a 900 na redação do Enem em 2018. Neste ano, a professora quer ir além. No próximo dia 17, Sharlene Leite promoverá o maior aulão de redação que Brasília já viu. Será no Museu da República, no coração da capital federal, e terá cinco horas de duração. Das 750 vagas, mais de 80% já foram preenchidas. Parte foi destinada, gratuitamente, a estudantes da rede pública. 

oto: Myke Sena/ Esp. Metrópoles
Sharlene Leite é graduada em Língua Portuguesa e leciona há mais de 15 anos no DF

O Metrópoles pediu à educadora para adiantar algumas das dicas que ela preparou para o aulão, confira:

1-  Ler atentamente o guia de correção da redação do Enem. Segundo Sharlene, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) é uma das poucas bancas que informa com clareza os critérios utilizados pelos avaliadores e o que se espera do participante em cada uma das competências analisadas. “O Enem tem muita transparência do modelo de correção e os estudantes devem aproveitar bem isso”, destaca a educadora. Clique aqui e confira o manual. 

2- Fazer uma análise cidadã do tema, levando em consideração os três eixos temáticos apresentados pela banca. A professora explica que os corretores das provas são treinados para avaliar a interpretação do tema. “No ano passado, por exemplo, o eixo primário era internet e os eixos secundários eram manipulação do usuário e comportamento de dados. Então, é preciso fazer uma leitura atenta do tema proposto e fazer uma separação excelente dos eixos apresentados.”

Depois, a dica é entender a dignidade da pessoa humana dentro todos os temas. Qual o olhar cidadão frente ao assunto abordado? “Isso significa dizer que o indivíduo precisa saber quais as regras do jogo que ele vive”, complementa.   

3- Ter repertórios “coringas”. No material produzido por Sharlene e distribuído aos alunos do Escrita Única, a educadora reúne algumas sugestões de ferramentas que podem ser utilizadas pelos estudantes na argumentação do assunto proposto pela banca. 

“Eles ficam angustiados quando os temas são muito específicos. Só que existem repertórios curingas que permeiam vários assuntos, como o livro Vidas Secas, de Graciliano Ramos. Ele pode ser usado para falar, por exemplo, sobre a crise hídrica, a alienação educacional, a violência. Além de clássicos literários, ela sugere o preâmbulo da Constituição Federal e o álbum Sobrevivendo no Inferno, do grupo de rap Racionais MC’s para compor o repertório sociocultural dos alunos.      

4- Escrever duas redações por semana. No Instagram, periodicamente, a professora publica temas e desafia os seguidores a dissertarem sobre assuntos inovadores. “O caminho tradicional é se apegar a temas batidos, clichês. Eles querem escrever sempre sobre aquilo que eles têm argumentos. No entanto, o que eu peço é que se arrisquem sobre questões totalmente diferentes, como a desburocratização, por exemplo. Ele precisa ser surpreendido antes, e não no dia da prova.”

Sharlene acrescenta ainda que, para tirar 1.000 no Enem, é necessário, obrigatoriamente, fazer referência a outra área de conhecimento. “Ele tem de demostrar como outras áreas do saber dialogam com o tema proposto.” “São experiências de vida que associam ao tema. É mostrar como a bagagem cultural deles [dos alunos] se manifesta naquela prova.”

5- Ter segurança. Basicamente, é saber o que está fazendo. Uma boa redação, segundo Sharlene Leite, leva aproximadamente entre 60 e 90 minutos para ser produzida. No entanto, é necessário ter uma estratégia em mãos. “Não dá para chegar lá e criar a estrutura pela primeira vez. Não vai dar certo. Não adianta escrever bonito e não fazer o que o avaliador pede. Os alunos precisam ter uma estrutura que confira a ele segurança e domínio da escrita.”

Ambiente acolhedor

Além de ministrar a disciplina, Sharlene administra o Escrita Única Pré-Vestibular, que conta com unidades em Taguatinga e na Asa Sul. Há cerca de um ano, o espaço oferece preparação completa para o Enem e vestibulares. Com equipe especializada, o EU dispõe de uma estrutura moderna e convidativa. As salas são coloridas e alguns ambientes são destinados às pausas, indispensáveis para quem vive sob a pressão de ingressar em uma instituição pública de ensino.

Escrita Única Pré-Vestibular

www.escritaunica.com.br

Instagram: @escritaunica 

Telefones: (61) 3877-5940 e 99972-8664 (WhatsApp)

Unidade Asa Sul
CRS 512, bloco C, Lote 15

Unidade Taguatinga
CSE 06, Lote 72, Pistão Sul

Últimas notícias