Conteúdo especial

Brasileiros usam cada vez mais o celular para comprar no e-commerce

Além disso, segundo a mesma pesquisa, o smartphone vem dominando todo o segmento do entretenimento

atualizado 19/10/2022 18:24

Um relatório que acaba de ser divulgado pela RankMyApp revelou que o brasileiro usa cada vez mais o smartphone para fazer compras no e-commerce. O estudo avaliou o número de downloads feitos no primeiro semestre deste ano dos aplicativos de varejo on-line, e descobriu que foram 15,7 milhões de instalações no período, representando um aumento de 2,6% em relação ao período homólogo no ano passado, quando ocorreram 15,3 milhões de downloads. 

Segundo o CEO da RankMyApp, Leandro Scalise, “esses dados mostram que o brasileiro está cada vez mais habituado a utilizar o celular para realizar algum tipo de compra. É um caminho sem volta, já que pesquisas de mercado apontam que, em 2021, 54% das vendas no e-commerce vieram do mobile”. 

Isso não é diferente com outros setores, e o smartphone vem dominando todo o segmento do entretenimento, com usuários preferindo usar o celular para assistir a séries e filmes na plataforma de streaming favorita e jogar em aplicativos de jogos consagrados, tanto os novos lançamentos quanto clássicos da jogatina, que já migraram para o ambiente virtual. Um exemplo são os cassinos on-line listados no cassinos.info, que contam com opções como poker e blackjack, e até mesmo as mais populares entre o público brasileiro, como bingo. 

Quanto ao crescimento nos downloads de aplicativos de varejo, Scalise destaca que um dos possíveis motivos para o comportamento consumista da população são as datas comemorativas. “Com exceção a 2020, que foi um capítulo à parte por conta da chegada da pandemia, 2021 foi o ano mais forte da série histórica, com 32,2 milhões de apps baixados. Porém, 2022 deve superar em mais de 3% esse número, impulsionado por um segundo semestre com Dia das Crianças, Black Friday, Natal, além, é claro, da Copa do Mundo.” 

Estudo

Para acompanhar e encontrar esses resultados, o estudo da RankMyApp ocorreu entre janeiro de 2018 e junho de 2022, e avaliou 350 milhões de dados anônimos de aquisição, assim como 283 milhões de visualizações e 70 milhões de instalações de aplicativos nas lojas Google Play e na App Store. 

O CEO pontua que as informações obtidas são importantes para empresas e agências de mídia, permitindo que definam as melhores estratégias de marketing mobile para alcançar os clientes brasileiros, seja ativando clientes que já compraram, mas que se mostram inativos, seja despertando o interesse em novos clientes. “Planejamento e gestão de mídia são as chaves para o sucesso no varejo”, conclui o executivo. 

De acordo com o levantamento, no último ano houve um aumento de 38% na quantidade de lojas on-line. Assim, o Brasil passou a ter 930 mil sites dedicados ao e-commerce, o que, para a RankMyApp, tem a tendência a crescer ainda mais nos próximos anos devido ao fortalecimento das plataformas móveis como geradoras de receita para o comércio eletrônico. Dessa forma, uma outra tendência é o crescimento do mobile e-commerce ou m-commerce. Para se ter noção, em 2021, mais de 54% das vendas do comércio eletrônico vieram de aparelhos móveis.

Além disso, em 2018, foram 22 milhões de downloads de aplicativos de e-commerce, enquanto em 2019 esse número subiu para 26,5 milhões. Em 2020, foram 54 milhões de apps baixados e, após uma queda em 2021, para 32,2 milhões, em 2022, só até junho, já foram 15,7 milhões de downloads, indicando que o número voltará a subir. 

O chefe de marketing e vendas da empresa, Rodrigo Thedim, explica os números: “Nota-se que 2020 apresentou alta de 104% em relação a 2019, muito por conta do início da pandemia da Covid-19, período em que as pessoas não sabiam quando poderiam sair de casa novamente para ter uma vida mais próxima do normal. Já nos outros anos da série, as instalações do m-commerce vêm apresentando um crescimento sustentável, e 2022 muito provavelmente seguirá essa tendência”.