Especialista em direito tributário dá dicas para concurso da Sefaz-DF

O certame prevê o preenchimento de 120 vagas, sendo 40 para contratação imediata e outras 80 para cadastro reserva

Rafaela Felicciano/MetrópolesRafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 19/12/2018 18:29

A Secretaria de Fazenda do Distrito Federal (Sefaz-DF) anunciou o Cebraspe como responsável pelo próximo concurso para auditor fiscal. De acordo com o cronograma, a banca tem até 30 dias para publicar o edital. O certame prevê o preenchimento de 120 vagas, sendo 40 para contratação imediata e outras 80 para cadastro reserva.

A remuneração inicial para auditor fiscal da receita é de R$14.970. O concurso será dividido em duas etapas, de caráter eliminatório e classificatório, com provas objetiva e discursiva. Para o professor de direito tributário Ismael Noronha, do IMP Concursos, nesta fase pré-edital os alunos devem focar nos assuntos que sempre caem nos concursos.

“O mais importante agora é organizar um plano de estudos de acordo com a disponibilidade de horário, de modo que se dê prioridade às matérias cujo peso é maior”, diz. Segundo o professor,  apesar de serem conhecidas as matérias que serão cobradas, ainda não foram disponibilizados os conteúdos específicos de cada uma. “Mas já é possível ir focando nos assuntos básicos. Por exemplo, em direito tributário é certeza que será cobrado todo o Código Tributário Nacional (CTN). Esse já é um ponto de partida”, explica.

A prova objetiva terá 80 questões de conhecimentos gerais: língua portuguesa, matemática financeira/estatística/raciocínio lógico, direito constitucional, direito administrativo, direito empresarial/penal/civil, tecnologia da informação, contabilidade pública, economia e finanças públicas. Além delas, outras 80 questões de conhecimento específico: direito tributário, legislação tributária, auditoria fiscal, contabilidade geral e de custos e direito financeiro. A prova discursiva terá dois itens de conhecimento específico e uma dissertação.

“As matérias que exigirão um maior esforço do aluno são as de conhecimentos específicos. Essas são novidade para uma grande parte dos estudantes”, aponta Noronha. Segundo ele, direito tributário é a disciplina base do concurso. “O auditor fiscal do DF irá desempenhar sua atividade baseando-se nessa matéria e na de legislação tributária. Então, conhecer a fundo é relevante não apenas para ser aprovado, mas também para desempenhar com qualidade a atividade após a aprovação”, pontua.

Cuidados
Para o professor, uma preparação aprofundada é indispensável. “As provas de direito tributário, na maioria das questões, cobram as disposições expressas do CTN e a jurisprudência do STF e do STJ. Para esse concurso, creio que o nível de conhecimento jurisprudencial será elevado”, alerta.

Em relação aos erros mais comuns na hora da prova, Noronha dá dicas de como se planejar e otimizar o tempo, tendo em vista que a avaliação é grande e engloba muitas disciplinas. “Aconselho que se comece por português, matemática financeira, raciocínio lógico, estatística e contabilidade. Essas são as que exigem mais tempo de raciocínio”, diz. No entanto, ele alerta para não se dar tempo demais a essas e ficar apertado para resolver as outras. “O treinamento é indispensável para adquirir velocidade na resolução das questões”, aconselha.

Se adaptar ao perfil da banca também é importante para uma prova mais tranquila. “Os enunciados das questões devem ser lidos com calma para evitar equívocos em relação ao que está sendo pedido pelo examinador. Cuidado com aqueles itens sobre os quais você não tem um nível grande de certeza. Lembre-se que um item errado cancela um certo. Aconselho que não deixe mais de 15% em branco.”