Um olhar atento sobre o poder. Notícias exclusivas, bastidores e investigação

Ex de Valdemar se diz ameaçada e pede socorro a Alexandre de Moraes

Maria Christina Mendes Caldeira acusa o presidente do partido de Jair Bolsonaro de usar a legenda para persegui-la

atualizado 29/09/2022 16:32

Maria Christina Mendes Caldeira, ex-mulher de Valdemar da Costa Neto Reprodução

Ex-mulher de Valdemar da Costa Neto, “dono” do PL, o partido do presidente Jair Bolsonaro, a ex-socialite paulista Maria Christina Mendes Caldeira enviou ao ministro Alexandre de Moraes um inusitado pedido de socorro.

Ela se diz ameaçada por Valdemar e acusa o presidente do PL de usar a estrutura da legenda para persegui-la e tentar debilitá-la financeiramente.

No documento enviado a Alexandre de Moraes por meio do canal de denúncias para violência política de gênero aberto no site do Tribunal Superior Eleitoral, Maria Christina pede, com base nas denúncias que faz, a suspensão do registro do partido ou, pelo menos, afastamento de Valdemar do comando da sigla. Sob a alegação de que é vítima de perseguição política relacionada ao gênero, ela solicita ainda medidas protetivas.

A ex-socialite, que vive nos Estados Unidos e nos últimos tempos passou a trabalhar como corretora de imóveis e motorista de aplicativo, narra na peça que Valdemar usou o PL para tentar garantir o direito a mais de R$ 400 mil em um processo de inventário de sua família que corre na Justiça. Segundo ela, Valdemar alega que bens usados pelo casal à época em que estavam juntos foram adquiridos pelo partido e, por isso, pede ressarcimento.

Maria Christina Caldeira afirma no documento enviado ao TSE que Valdemar trata o PL como uma “empresa familiar” e, no comando do partido, mistura interesses públicos e privados.

“Venho respeitosamente, por meio desta, manifestar-me­ sobre a utilização da estrutura partidária para uso pessoal de violência patrimonial e psicológica do Partido Liberal contra mim, misturando o público e privado e utilizando a maquina partidária em todas as esferas para intimidação de gênero”, afirma a ex-socialite, conhecida pelo depoimento que prestou contra Valdemar no Congresso à época do escândalo do mensalão petista.

“Nos EUA, onde vivo em asilo político devido a ameaças, é inimaginável um partido politico ser utilizado como uma empresa familiar, uma vez que é bem público, criado para dar voz e representatividade ao cidadão , porém no Brasil atual toda forma de intimidação a mulheres é possível, chegando ao absurdo da violência de gênero cometida por uma estrutura partidária”, diz a peça, enviada também à coluna.

Nesta semana, Maria Christina Caldeira declarou voto em Lula.

“Nunca fui filiada ao Partido Liberal, apesar disso seu proprietário e presidente insiste em misturar público e privado, utilizando toda a estrutura partidária para me intimidar”, prossegue o texto da representação enviada a Alexandre de Moraes.

Procurado pela coluna por meio de sua assessoria, Valdemar ainda não se manifestou. O TSE confirmou que recebeu a representação, mas informou que não se manifestará porque o documento está em sigilo.

Mais lidas
Últimas notícias