metropoles.com

O PT, o Uber dos Correios e a vaca capitalista

A realidade mental do partido congelou-se no tempo do sindicalismo. E do estatismo, e do capitalismo patrimonialista

atualizado

Compartilhar notícia

Fábio Vieira/Metrópoles
Luiz Marinho, presidente estadual do PT-SP
1 de 1 Luiz Marinho, presidente estadual do PT-SP - Foto: Fábio Vieira/Metrópoles

A entrevista do ministro do Trabalho, Luiz Marinho, ao jornal Valor mostra que o cidadão não compreendeu as novas relações que se estabeleceram no mundo do trabalho, desde o advento da revolução digital. A reforma trabalhista, que flexibilizou as normas estabelecidas por uma legislação que remonta à década de 1940, ajudou — e muito — que a taxa de desemprego, em novembro de 2022, último dado divulgado pelo IBGE, fosse de 8,1%, a menor desde abril de 2015. Em números absolutos, são 8,7 milhões de desempregados a menos, o menor contingente desde junho daquele mesmo ano.

Luiz Marinho, assim como todos os integrantes do PT, culpa a reforma por ter “fragilizado” o mercado de trabalho e “achatado” a massa salarial. Não é verdade. O mercado de trabalho viu-se fragilizado,  principalmente, por um fator circunstancial — o impacto econômico causado pela pandemia — e a massa salarial foi achatada também por um fator estrutural: a baixa produtividade dos trabalhadores brasileiros. Todos os estudos disponíveis sobre o assunto mostram que ela permanece a mesma há décadas. Por falta de qualificação, um trabalhador brasileiro demora uma hora para fazer o mesmo produto que um americano faz em quinze minutos.

Quanto à pandemia, a reforma trabalhista teve a virtude de atenuar os seus efeitos, como mostra um estudo da Faculdade de Economia e Administração da USP, divulgado em maio de 2022. Apenas uma das suas mudanças, a que dificulta a esbórnia processual na Justiça do Trabalho, causou uma redução de 1,7 ponto percentual no desemprego. Em relação à baixa produtividade, os diversos governos vêm fazendo quase nada para reverter o quadro. Continuamos com uma educação abaixo da crítica, apesar de sermos um dos países que mais gastam nesse quesito, em proporção do PIB. Gastamos mal.

A realidade mental de Luiz Marinho congelou-se no tempo do sindicalismo. A de Lula também. Para ambos, mas não só para eles, o mundo se divide entre empresários exploradores que não trabalham e trabalhadores explorados que precisam ser tutelados por um Estado paternalista. Sobre a regulamentação do trabalho por aplicativos, o ministro do Trabalho chegou a dizer, na entrevista ao Valor, que é “problema do Uber”, se a empresa sair do Brasil. Não é. É de uma massa de brasileiros que consegue obter uma renda mensal por causa do aplicativo e não quer patrão.

Luiz Marinho ainda complementou o raciocínio torto, ao afirmar que, se o Uber resolvesse sair do Brasil por causa de uma regulamentação estrita demais, o governo criaria outro aplicativo. “Posso chamar os Correios, que é uma empresa de logística e dizer para criar um aplicativo e substituir”. Imagine-se o “Uber dos Correios”, no contexto da eficiência dos serviços públicos brasileiros. A pessoa chamaria um carro hoje, para que chegasse amanhã. E ainda teria de dar um dinheiro por fora ao motorista, para compensar os encargos pagos por ele.

Na visão de Luiz Marinho e do PT, que ninguém se engane, a estatização é sempre boa solução, não importa a área, apesar de todas as evidências em contrário. O sueco Olof Palme, que foi primeiro-ministro do seu país, dizia que, para o comunista, o capitalismo é uma ovelha a ser morta, enquanto que, para o social-democrata, o capitalismo é uma ovelha que deve permanecer viva, mas bem tosquiada.  Para a esquerda brasileira, o capitalismo é uma vaca patrimonialista a ser tolerada e alimentada pelo Estado — e que o recompensa, bem como os seus agregados, fornecendo boa parte do leite que ela produz.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comMario Sabino

Você quer ficar por dentro da coluna Mario Sabino e receber notificações em tempo real?

Notificações