metropoles.com

A importância da LGPD

Thayse Fernandes, coordenadora de Direito Digital da Russell Bedford Brasil, aborda como faz diferença ter pessoas capacitadas para auxiliar

atualizado

Compartilhar notícia

Tima Miroshnichenko/Pexels
LGPD
1 de 1 LGPD - Foto: Tima Miroshnichenko/Pexels

Publicada em 2018, a Lei Geral de Proteção de Dados passou a vigorar, parcialmente, em setembro de 2020, e as sanções administrativas somente em agosto de 2021; período em que se esperava que as empresas se adaptassem à legislação. O principal objetivo é a proteção dos direitos fundamentais de liberdade e privacidade, e o livre desenvolvimento da personalidade da pessoa natural. Outrossim, a criação de um cenário de segurança jurídica, visando a promover a proteção aos dados pessoais de todo cidadão que esteja no Brasil, de acordo com os parâmetros internacionais existentes.

A importância de estar em compliance com a referida legislação ganhou força devido à competitividade entre as empresas. Além disso, aquelas que visualizarem a LGPD como uma oportunidade de ampliação dos negócios, aplicação da inovação e do desenvolvimento tecnológico tendem a destacar-se no mercado e impactar – positivamente – suas atividades e segmentos.

Ainda que tenhamos enfatizado o impacto entre empresas, a referida legislação é aplicável a todos que tratem dados pessoais de pessoas físicas com fins comerciais. Portanto, tanto a pessoa natural quanto a jurídica de direito público ou privado que trate dados com tal finalidade está sujeita à LGPD.

Outro cenário que merece destaque é a incidência da lei para com o tratamento de dados de forma física e digital. Entretanto, mesmo que o formato físico tenha seus desafios, hoje vivemos em um universo digital, era pós-internet, exigindo-se maior atenção no tocante à adoção de processos, políticas, estruturas internas e aculturamento dos profissionais no tratamento nesse âmbito.

Os desdobramentos de um ambiente de negócio globalizado e tecnológico permitem um aumento dos riscos de vazamento e tratamento inadequado de dados. Recentes casescomo o ataque ao Ministério da Saúde e das Lojas Renner, são a prova disso. Logo, a adoção de medidas de segurança mais robustas e eficientes, bem como regras claras, conscientização preventiva e monitoramento são elementos essenciais a serem adotados a fim de se estar em compliance com a LGPD.

Outro ponto que merece destaque é a atuação necessária do Encarregado, mais conhecido como Data Protection Officer (DPO). A legislação não exige formação exata para nomeação desse profissional, o que devemos considerar para tanto é a sua capacidade técnica, ausência de conflito de interesses e independência para tomada de decisões.

Além disso, essa pessoa indicada pelo controlador e operador poderá ser um profissional interno ou uma empresa terceirizada, e atuará como canal de comunicação entre o controlador, os titulares dos dados e a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) – responsável pela fiscalização e aplicação de sanções em caso de tratamento de dados realizado em descumprimento da legislação.

Ainda, o DPO será o responsável por gerenciar o Programa de Privacidade da empresa/organização, mantendo-o atualizado e eficiente. Portanto, é importante a divulgação desse nomeado, assim que escolhido, e a indicação do seu canal direto de comunicação.

A vista disso, a implementação da LGPD se mostra bastante complexa, fazendo a diferença a assistência de profissionais multidisciplinares e capacitados pata tanto. O não cumprimento das diretrizes da LGPD, e não somente a ocorrência de vazamento de dados, pode ensejar aplicabilidade de diferentes sanções administrativas, como advertência, bloqueio e eliminação de dados, publicização da infração e multa. Destacando-se as duas últimas que podem impactar drasticamente na reputação da empresa frente a parceiros de negócios e titulares-consumidores, bem como no bolso, uma vez que a multa pode chegar a até 2% do faturamento, limitada a 50 milhões por infração.

Organicamente falando, aqueles que não estiverem adotando e seguindo efetivamente as diretrizes da LGPD serão excluídos do mercado, logo busque adequar a sua empresa e estar em compliance com essa importante legislação.

Thayse Fernandes da Cunha é coordenadora de Direito Digital da Russell Bedford Brasil. Advogada formada pela Faculdade Dom Bosco, possui pós-graduação em Direito Civil com ênfase em Responsabilidade Civil e Contratos pela Uniritter Laureate International Universities.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações