metropoles.com

Rejeição de senadores a Mendonça dá fôlego à disputa por vaga no STF

Além de Augusto Aras, outros postulantes transitam nos bastidores de Brasília para ganhar simpatia de aliados do presidente Jair Bolsonaro

atualizado

Compartilhar notícia

Igo Estrela/Metrópoles
Cerimônia posse do ministro Luiz Fux na presidência do Supremo Tribunal Federal STF
1 de 1 Cerimônia posse do ministro Luiz Fux na presidência do Supremo Tribunal Federal STF - Foto: Igo Estrela/Metrópoles

A declaração do senador Renan Calheiros (MDB-AL) sobre uma possível rejeição do Senado Federal ao nome de André Mendonça,  ministro da Advocacia Geral da União (AGU), para ocupar a próxima vaga do Supremo Tribunal Federal (STF) garantiu fôlego para as campanhas realizadas nos bastidores de Brasília pela indicação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) à cadeira vitalícia na mais alta Corte do país.

Com a indicação endossada pela Associação Nacional dos Magistrados Estaduais (Anamages), o juiz Mirko Vincenzo Giannotte, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), tem transitado em gabinetes de bolsonaristas para angariar aliados na disputa. Nos últimos dias, o magistrado evangélico se reuniu, por exemplo, com o presidente nacional do PTB, o ex-deputado federal Roberto Jefferson.

Discreto, Giannotte preferiu não polemizar sobre o posicionamento que o relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 revelou em entrevista ao Metrópoles.

“A indicação [de Mendonça] foi feita pelo presidente de maneira serena e, por isso, espero que tenha êxito, se for o melhor para o nosso país. A gente continuará na luta e nos ideais de patriotismo. Não faço campanha oposicionista, mas continuo à disposição do presidente e da nação”, disse.

Com a dúvida no ar se o titular do Palácio do Planalto manterá a aposta, sob risco da reprovação do ministro pelo Congresso Nacional, cresceu a esperança de Augusto Aras, procurador-geral da República, de ser o escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro, conforme revelou o colunista Ricardo Noblat, do Metrópoles.

Outros nomes que articulam o apoio bolsonarista também seguem em encontros palacianos com o mesmo objetivo de garantir a cadeira vitalícia. A juíza Amini Haddad Campos, também do TJMT, tem corrido contra o tempo para ganhar a simpatia do Planalto.

Nessa agenda, apresentou-se para a ministra Damares Alves, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Também tentou espaço entre os compromissos da ministra da Secretaria de Governo, Flávia Arruda. Acabou recebida pelo secretário-executivo da pasta, Rafael Sampaio.

Lista

O presidente disse a aliados que sua segunda indicação à Suprema Corte está reservada a um jurista “terrivelmente evangélico”. Neste grupo, entra, por exemplo, o nome do presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Humberto Martins, próximo a Calheiros.

O desembargador Gilson Lemes, presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e o ministro Jorge Oliveira, do Tribunal de Contas da União (TCU), também são ventilados para ocupar a cadeira a ser deixada pelo ministro Marco Aurélio Mello, que deixará o Supremo no próximo dia 12 de julho.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?