Por Ilca Maria Estevão, Rebeca Ligabue, Hebert Madeira e Sabrina Pessoa

Brasília Orgulho lança loja virtual com renda voltada para ações LGBT+

A coleção de estreia inclui vários objetos com as cores do arco-íris e ilustrações de monumentos da capital federal

atualizado 24/03/2021 15:49

Máscara de arco-íris da loja virtual do Brasília OrgulhoBrasília Orgulho/Divulgação

O festival Brasília Orgulho, iniciativa que inclui a Parada do Orgulho LGBT de Brasília, lançou uma loja virtual com produtos inspirados nas cores do arco-íris. Toda a receita arrecadada com as vendas será destinada às ações do coletivo ativista. Na compra de peças específicas, o valor (ou parte dele) é doado a entidades apoiadoras do movimento no Distrito Federal. Para dar um toque ainda mais especial, os itens são ilustrados com monumentos da capital, como o Congresso Nacional e as torres de TV.

Vem saber mais detalhes!

@Kampania_Przeciw_Homofobii/Giphy/Reprodução

Novidades da loja

Hospedada no site do Brasília Orgulho, esta é a primeira loja virtual da América Latina realizada por um evento ativista em orientação sexual e identidade de gênero, segundo a organização. Ampliar a visibilidade do movimento é um dos propósitos do lançamento, seja por pessoas da própria comunidade, seja por apoiadores. A coleção de estreia inclui itens como avental, bandeira de mão, bloco de anotações, caneca, chaveiro, copos, ecobags, marcador de página, pulseira, entre outros.

Outra possibilidade da plataforma é fazer uma doação direta a uma entidade ligada ao movimento. Neste primeiro momento, será o Grupo Livre LGBT de Samambaia. Na compra das máscaras faciais, os lucros serão revertidos para o Centro LGBTS de Brasília, que fornece cestas básicas a pessoas da comunidade em situação de vulnerabilidade devido à pandemia de Covid-19. A loja virtual também permite a compra de cestas básicas de R$ 65, direcionadas ao mesmo coletivo.

Em entrevista à coluna, Welton Trindade, coordenador do Brasília Orgulho, conta que a intenção é ampliar a linha. Possibilidades futuras incluem produtos de moda, como roupas e acessórios. “O céu é o limite. O que pudermos criar faremos. É um lançamento inicial, para testar mercado”, explica o ativista e jornalista. Os itens lançados até o momento foram desenvolvidos por designers voluntários do coletivo.

Bloco de anotações de arco-íris da loja virtual do Brasília Orgulho
O festival Brasília Orgulho, que inclui a Parada do Orgulho LGBT de Brasília, lançou uma loja virtual

 

Pulseira de arco-íris da loja virtual do Brasília Orgulho
Os produtos são inspirados nas cores do arco-íris, símbolo que integra a bandeira do movimento

 

Copos de arco-íris da loja virtual do Brasília Orgulho
As cores surgem na forma de ilustrações que remetem a monumentos da capital federal, como o Congresso Nacional e as torres de TV

 

Cesta básica disponível na loja virtual do Brasília Orgulho
Pela plataforma, é possível fazer doações para uma entidade que atua em prol da comunidade LGBTQIA+ e, também, comprar cestas básicas que serão doadas para o Centro LGBTS de Brasília

 

Máscara de arco-íris da loja virtual do Brasília Orgulho
Os lucros obtidos com a venda das máscaras faciais também serão destinados a compras de cestas básicas

 

Impacto social

As vendas da plataforma ajudarão o movimento de três formas: propagando a visibilidade, financiando as festividades do coletivo Brasília Orgulho e ajudando iniciativas LGBTQIA+, com doações. Dessa forma, além do patrocínio de empresas e doações, o evento poderá contar com apoio direto da comunidade. “Se uma pessoa compra um produto, ajuda o festival com toda a renda. Ao mesmo tempo, a cada dois ou três meses, escolheremos uma entidade parceira para que o público possa doar”, explica.

O Grupo Livre LGBT de Samambaia, primeiro beneficiado pela iniciativa, existe desde 2009 e realiza a marcha LGBTQIA+ da região administrativa. Além disso, desenvolve outras ações sociais, como combate ao crack, por meio do incentivo ao esporte. Com o dinheiro arrecadado, o coletivo comprará cestas básicas para pessoas impactadas pela pandemia.

Mesmo uma causa social exige uma necessidade financeira, como frisa Welton Trindade. Colocar trios na rua, oferecer a passagem dos voluntários e manter o site no ar são ações que geram custos. Além disso, diante do pior momento da pandemia no país, muitos membros da comunidade estão sem emprego e ainda mais vulnerabilizados, tornando as possibilidades da loja ainda mais necessárias.

“O festival está sendo esse hub, um local que congrega outras iniciativas sociais. Não era a intenção inicial, mas virou, em questão de dias”, comenta o ativista. O Centro LGBTS de Brasília, por exemplo, procurou a organização do festival após o lançamento do e-commerce para arrecadar cestas básicas. “Já temos todo um sistema de cobrança e de logística. Estamos disponibilizando para outras entidades que não têm essa estrutura”, completa.

Caneca de arco-íris da loja virtual do Brasília Orgulho
A loja virtual é uma forma de gerar renda para as ações do Brasília Orgulho

 

Ecobag de arco-íris da loja virtual do Brasília Orgulho
A cada dois ou três meses, o coletivo escolherá uma entidade engajada no movimento LGBTQIA+ para receber doações por meio da plataforma

 

Jogo americano de arco-íris da loja virtual do Brasília Orgulho
Neste primeiro momento, é a vez do Grupo Livre LGBT de Samambaia

 

Avental de arco-íris da loja virtual do Brasília Orgulho
A iniciativa é uma forma de oferecer a plataforma para entidades que não têm essa estrutura

 

Chaveiro de arco-íris da loja virtual do Brasília Orgulho
Além disso tudo, quem comprar os produtos estará ajudando a dar visibilidade para a comunidade

 

Novidades para o Mês do Orgulho LGBTQIA+

Realizada desde 1998, a Parada do Orgulho LGBT de Brasília é a terceira mais antiga do país e o segundo maior evento cívico de rua do Distrito Federal, atrás apenas do Carnaval. Na última edição presencial, em 2019, chegou a reunir cerca de 120 mil pessoas. A parada integra o festival anual Brasília Orgulho, que comemora o dia 28 de junho. Por conta da pandemia de Covid-19, as celebrações de 2020 ganharam forma da ação Orgulho 20 – Somos Maiores.

“Brasília, hoje, é uma das cidades com mais serviços de proteção para LGBTs. Tem uma legislação avançada para isso, delegacia contra a homofobia – uma questão rara no Brasil –, tem uma estrutura do governo federal específica para cuidar de LGBTs, centro de apoio à saúde de pessoas trans”, lista Trindade.

Os detalhes sobre o festival deste ano serão divulgados futuramente. O coordenador antecipa que será um formato nunca antes visto nas cidades brasileiras em celebrações do Orgulho LGBTQIA+. Será um evento físico, mas sem aglomeração. “Estamos muito cientes dessa questão”, assegura o colaborador do festival.


Colaborou Hebert Madeira

Últimas notícias