Por Ilca Maria Estevão, Rebeca Ligabue, Hebert Madeira e Sabrina Pessoa

Alta-costura: entenda como funciona o setor mais luxuoso da moda

Com mais uma Semana de Alta-Costura prestes a iniciar, saiba quais são as rigorosas exigências desse prestigiado segmento

atualizado 19/01/2019 18:39

Peter White/Getty Images

Paris receberá mais uma Semana de Alta-Costura entre os próximos dias 21 e 24. Desta vez, 31 casas apresentarão suas novidades de primavera/verão 2019 no mais alto nível de sofisticação e exclusividade; esta última palavra, a propósito, define a alma dessas criações, consideradas verdadeiras obras de arte da moda.

As peças de haute couture, como a categoria é chamada em francês, exigem alto rigor técnico e são feitas à mão, sob medida e somente em Paris. Geralmente, são vestidos, casacos ou itens de alfaiataria, usados em eventos de gala e red carpets.

Embora seja utilizado erroneamente para definir o trabalho das grifes de luxo, não é qualquer marca ou coleção que está apta a receber esse título. Ao longo do ano, acontecem duas semanas de alta-costura, que estão entre as principais do circuito fashion mundial, em janeiro e julho. Esse é um dos diversos critérios do setor, estabelecidos pela Câmara Sindical da Alta-Costura.

Vem comigo saber mais sobre esse universo!

Reprodução/Schiaparelli

História
O inglês Charles Frederick Worth (1825-1895) é considerado o “pai da alta-costura”. Na década de 1840, o costureiro mudou-se para a capital francesa por achar que Paris teria um solo mais fértil para suas ideias. Assim, abriu o próprio negócio em 1858, a Casa Worth.

“Em teoria, ele não fundamentou [a alta-costura] como regra. O que fez foi lançar determinadas premissas que passaram a ser essenciais ao negócio”, explica o professor de história da moda João Braga, da Fundação Armando Alvares Penteado (Faap).

Uma dessas novidades, por exemplo, foi a exibição das criações em modelos. A ideia tomou forma com a própria esposa, Marie. Worth também foi o primeiro a colocar uma etiqueta com o próprio nome nas peças, além de iniciar a tradição de coleções por estação.

Hulton Archive/Getty Images
O costureiro britânico Charles Frederick Worth (1825-1895) é considerado o “pai da alta-costura”

 

Chicago History Museum/Getty Images
Worth foi o primeiro a colocar etiqueta com seu nome nas criações

 

Dez anos depois da criação da casa, Worth precisou se sindicalizar, pois já tinha funcionários, e sentiu a necessidade de dar um nome a esse tipo de roupa sofisticada. “Ele chamou de costura, baseando-se na costura e nos costureiros profissionais que faziam as roupas desde a corte de Luís XIX”, diz o professor. Em 1868, nasce então a Câmara Sindical da Costura, Fabricantes de Roupas e Alfaiates para Mulheres.

Os filhos Gaston-Lucien e Jean-Phillipe Worth foram responsáveis por dar continuidade à casa de moda após a morte do pai, em 1895. Nesse período, o renomado Paul Poiret (1879-1944) foi um dos assistentes da casa, no número 7 da Rue de la Paix, até criar a própria label em 1903. “Foi Poiret quem compreendeu que seu mestre tinha fundamentado um significativo requinte para o mundo da moda”, comenta João Braga.

O historiador conta que Poiret resolveu criar um sindicato à parte. Assim surgiu a Câmara Sindical da Costura Parisiense, em 1910, separadamente do sindicato geral. Já na década seguinte, em 1926, surgiu a Escola de la Chambre, onde se ensinavam as técnicas do fazer manual.

Hulton Archive/Getty Images
Retrato de Marie, esposa de Worth, em 1860

 

Com a chegada da Segunda Guerra Mundial, durante a ocupação nazista na França, Hitler quis levar a sede da câmara para Berlim. Desde que foi fundada, a instituição tinha um diretor-geral. Naquele período, era presidida por um costureiro chamado Lucien Lelong.

A fim de evitar que o ditador levasse a Chambre Syndicale para a Alemanha, Lelong criou as regras da alta-costura na década de 1940. Em 1945, o nome muda para Câmara Sindical da Alta-Costura (Chambre Syndicale de la Haute Couture). A principal exigência foi a de que só existiria haute couture em Paris. “Mais do que francesa, é uma marca registrada parisiense”, enfatiza João Braga. Até então, não havia regras: bastava ter um padrão estético e gosto apurado para entrar no setor.

Por meio da moda, Paris se recuperou economicamente e passou a atrair a clientela estrangeira, principalmente a norte-americana. Desde então, a alta-costura é o que há de mais luxuoso no universo fashion.

Seeberger Freres/General Photographic Agency/Getty Images
Vestido da Maison Worth nesta foto de 1923

 

Chicago History Museum/Getty Images
Vestido da socialite americana Bertha Palmer por Charles Frederick Worth

 

Critérios para as casas de alta-costura
João Braga explica que, quando se fala em costureiro na França, é o status mais alto da moda, o profissional que faz a roupa de ateliê. Já o estilista, é o que cria para a indústria em produção em série. Alguns costureiros também são estilistas, como é o caso de Karl Lagerfeld, que faz a grife (prêt-à-pôrter) e a maison Chanel. O substantivo francês maison significa “casa” e é o nome pelo qual se deve referir às etiquetas de alta-costura.

Ainda no século 20, Poiret estabeleceu o próprio negócio na Place Vendôme e depois, mudou-se para a Champs-Élysées. Por isso, a região chamada Triângulo de Ouro ficou estabelecida entre as regras para a alta-costura, na delimitação de três avenidas: Champs-Élysées, Montaigne e Georges V. Atualmente, as maisons precisam estar dentro do Triangle d’Or, além de ocuparem um prédio inteiro, que não pode ser alugado.

A construção precisa ter um estilo arquitetônico reconhecido pela arquitetura. No térreo, deve haver a loja. Já no primeiro andar, um grande salão de atendimento exclusivo para as clientes. “Determinadas clientes não vão aos desfiles, principalmente as que fazem parte da nobreza, em especial as árabes e africanas.”

Pierre Vauthey/Sygma/Sygma via Getty Images
Modelo com look de alta-costura primavera/verão da Chanel, em 1977

 

Pierre Vauthey/Sygma/Sygma via Getty Images
Desfile de alta-costura da Chanel em 1979

 

ALEXIS DUCLOS/Gamma-Rapho via Getty Images
Peças de haute couture da Chanel nos anos 1990

 

Reprodução/Dior
Plano de fundo do desfile de outono/inverno de alta-costura da Dior, em julho de 2018

 

As roupas sempre devem ser únicas, feitas à mão e sob medida. Além disso, devem ser provadas no corpo da cliente ao menos três vezes. Segundo o Business of Fashion, um ateliê precisa de pelo menos 15 funcionários trabalhando em tempo integral, além de 20 técnicos em uma das oficinas. Esses profissionais normalmente são especializados em áreas específicas. Os bordados não precisam ser feitos no Triângulo de Ouro, mas devem ser feitos em Paris.

Quanto aos preços, costumam ser os mais altos da moda e variam entre US$ 10 mil a 300 mil. “Com isso [o valor elevado], não se vende. Você vende um status, mas vai precisar de um produto para dar um respaldo financeiro, que vai ser o perfume, uma bolsa ou óculos”, explica o professor.

Todas as casas de alta-costura precisam ter ao menos um perfume no catálogo. É o item que vai sustentar o negócio, normalmente seguido de cosméticos (2ª linha), acessórios (3ª) e prêt-a-porter (4ª). Curiosamente, a linha menos lucrativa é justamente a de alta-costura (5ª). “Eles ganham rios de dinheiro e sustentam os desfiles de alta-costura, que nem sempre são usáveis, mas fazem parte da sofisticação, do prestígio parisiense”.

Antoine Antoniol/Getty Images
Funcionária costura um vestido no ateliê de Julien Fournie

 

Antoine Antoniol/Getty Images
Julien Fournie, um dos membros permanentes da alta-costura, em seu ateliê

 

Antoine Antoniol/Getty Images
Moullage

 

Antoine Antoniol/Getty Images
Os membros aderentes da alta-costura precisam ter ateliê no chamado Triângulo de Ouro, em Paris

 

Reprodução/Dior
Croqui da coleção de outono/inverno 2018-2019 de alta-costura da Dior

 

Reprodução/Dior
Na alta-costura, não há designers: os profissionais que assinam as coleções são chamados costureiros

 

Reprodução/Dior
As peças são todas feitas manualmente

 

O historiador acrescenta que, antigamente, o desfile exigia 72 looks. Com o tempo, passou a ser 50, depois diminuiu para 35. Hoje, são obrigatoriamente 25, com opções para o dia e noite. “Essas premissas podem mudar de acordo com o ar dos tempos. Um novo presidente chega com uma nova proposta que pode ser acolhida. Só não muda ser Paris e o perfume”, acrescenta João Braga.

Outro detalhe que não é regra, mas passou a ser tradição, foi o encerramento com um vestido de noiva. “É a roupa mais desejada pela mulher. Normalmente, é a mais cara de seu guarda-roupa, para ser usada uma única vez. O figurino considerado mais mágico”, diz.

Na alta-costura, não há limites para a criação, com aura mais conceitual e extravagante. É considerada o verdadeiro laboratório criativo, de onde saem as ideias que ganham um sentido mais comercial no prêt-à-porter.

Pierre Vauthey/Sygma/Sygma via Getty Images
Supermodelo Claudia Schiffer ao lado de Karl Lagerfeld no desfile de outono/inverno 1991-1992 da Chanel

 

Pierre Vauthey/Sygma/Sygma via Getty Images
O costureiro segura a mão da modelo com o vestido de noiva na coleção outono/inverno 1987-1988

 

Pierre Vauthey/Sygma/Sygma via Getty Images
Desfile de alta-costura da Givenchy em 1987

 

Pierre Vauthey/Sygma/Sygma via Getty Images
Vestido rosa de alta-costura da Givenchy no outono/inverno 1982-1983

 

Apesar das coleções normalmente serem femininas, algumas maisons apresentam peças masculinas, como Givenchy e Jean Paul Gaultier na temporada outono/inverno 2018-2019.

 

Peter White/Getty Images
Givenchy haute couture outono/inverno 2018/2019

 

Peter White/Getty Images
Givenchy haute couture outono/inverno 2018/2019

 

Peter White/Getty Images
Jean-Paul Gaultier haute couture outono/inverno 2018/2019

 

Peter White/Getty Images
Jean-Paul Gaultier haute couture outono/inverno 2018/2019

 

Categorias
Atualmente, há três maneiras de pertencer ao setor da alta-costura: como membro aderente, representante ou convidado, nesta ordem. Os critérios acima são as exigências para os membros permanentes, que é o caso de maisons como Chanel, Givenchy, Schiaparelli, Margiela e Jean-Paul Gaultier. Elas são permanentes até que decidam sair por vontade própria ou decisão do presidente da câmara.

“Uma das exigências é que você tenha um padrão estético sofisticado, relativo à estética francesa. Depois da saída de Galliano da Dior, e do suicídio do McQueen em Londres, a moda ficou menos exagerada e mais “pé-no-chão”, pondera o especialista.

KAMMERMAN/Gamma-Rapho via Getty Images
Ateliê da Dior na década de 1950

 

Estrop/Getty Images
Desfile de alta-costura da Versace no outono/inverno 2016-2017

 

Reprodução/Givenchy
A Givenchy é uma das marcas aderentes que fazem parte da Câmara Sindical da Alta-Costura

 

Reprodução/Givenchy
Existem três maneiras de ser membro da alta-costura: aderente, representante ou convidado

 

Assim como existe a Câmara Sindical da Alta-Costura em Paris, existem câmaras correspondentes em outros países. Na Itália, recebe o nome de Altamoda e se baseia na realidade francesa. Na Inglaterra e Estados Unidos, a linha recebe o nome de high fashion ou high style, que corresponde à alta-costura.

Dessa forma, acontece a relação com os membros representantes: “É possível representar a câmara da alta-costura do seu país em Paris e a alta-costura no seu país de origem. O Valentino representa a alta-moda em Paris e a alta-costura na Itália”, exemplifica João Braga.

Já para os membros convidados, as regras são mais simples. Basta que a Câmara Sindical decida que determinado designer está fazendo um trabalho interessante, então pode convidá-lo com aval das casas permanentes. “Se, na estação seguinte, a câmara decidir que ele não será convidado, somente aquela coleção anterior entrou para os anais da alta-costura”, observa. Eles podem ser estrangeiros e fabricar as roupas no país de origem.

 

Reprodução/Givenchy
As peças de alta-costura são cheias de detalhes e tudo é feito à mão

 

Reprodução/Givenchy
O setor é o mais luxuoso da moda

 

Reprodução/Dior
Os vestidos de alta-costura costumam levar centenas de horas para ficarem prontos

 

E a alta-costura “do Brasil”?
Como vimos, não é qualquer moda de luxo que pode ser chamada de haute couture, pois o nome é uma patente criada em 1945, segundo o site oficial. “No Brasil, não inventou-se um nome e todo mundo fala: sou estilista de alta-costura. Primeiro, estilista não faz alta-costura. Segundo, não tem alta-costura no Brasil, você tem que pedir a licença da câmara”, aponta João Braga.

Dois brasileiros fizeram parte da lista da Câmara Sindical da Alta-Costura. No fim dos anos 1990, o estilista Ocimar Versolato (1961-2017) apresentou uma coleção própria, depois de ser diretor criativo da Lanvin por dois anos. O segundo foi Gustavo Lins, que foi membro convidado e chegou a ser permanente em 2011 — sua casa de moda, Atelier Gustavolins, faliu em 2015.

Pascal Le Segretain/Sygma via Getty Images
O costureiro Ocimar Versolato com modelos no backstage de um desfile

 

William STEVENS/Gamma-Rapho via Getty Images
Desfile da maison Ocimar Versolato em 1999

 

Pool DUCLOS/STEVENS/Gamma-Rapho via Getty Images
Ocimar Versolato fez parte da lista da alta-costura na década de 1990

 

Pool DUCLOS/STEVENS/Gamma-Rapho via Getty Images
Desfile de Ocimar Versolato em 1999

 

Francois Durand/Getty Images
Gustavo Lins ao lado de modelo em seu desfile de alta-costura primavera/verão 2015

 

Francois Durand/Getty Images
O brasileiro se tornou membro aderente da alta-costura em 2011. Em 2015, sua maison faliu

 

Francois Durand/Getty Images
Algumas casas apresentam looks masculinos nos desfiles de alta-costura. Foi o caso deste look masculino do Atelier Gustavolins em janeiro de 2015

 

Kristy Sparow/Getty Images
Desfile do outono/inverno 2013-2014 de alta-costura da maison Atelier Gustavolins

 

Clientes
Para produzir um vestido com toda a sofisticação da haute couture, os artesãos podem levar mais de 100 horas. Geralmente, as clientes são da África, Oriente Médio ou estrelas de Hollywood. No mundo inteiro, existem cerca de 2 mil compradores, enquanto somente 200 têm o privilégio de serem fidelizados. A maioria são mulheres.

A maior cliente de todos os tempos, segundo o historiador, foi uma senhora americana chamada Mona von Bismarck, que tinha como costureiro favorito Cristóbal Balenciaga. O espanhol é considerado o maior nome de todos os tempos da alta-costura: “Era criativo, tinha tino comercial, sabia bordar, costurar. Ninguém conseguiu superá-lo ainda hoje”, reconhece o professor. Hoje, Balenciaga é uma grife que dá o que falar, mas não é mais uma maison.

Horst P. Horst/Condé Nast via Getty Images
Mona Bismarck foi uma grande colecionadora de peças de alta-costura e, também, grande fã de Cristóbal Balenciaga

 

Walter Sanders/The LIFE Picture Collection/Getty Images
Cristóbal Balenciaga com a editora-chefe da revista Harper’s Bazaar, Carmel Snow

 

Gordon Parks/The LIFE Picture Collection/Getty Images
Vestido da Balenciaga

 

Como não existe liquidação de luxo, as roupas dos desfiles que não são vendidas viram parte do patrimônio da casa e podem ser emprestadas para grandes eventos. Por serem peças únicas, só podem estar em dois lugares: no guarda-roupa da cliente ou no acervo. “Essas roupas vão para cemitérios (como são carinhosamente chamados) preciosíssimos”, finaliza João Braga.

Pierre Vauthey/Sygma/Sygma via Getty Images
Manequins com peças de uma coleção de alta-costura da maison Schiaparelli na década de 1970

 

Peter White/Getty Images
Desfile mais recente de alta-costura da Dior

 

Confira a programação (horário de Paris):

Segunda-feira (21/01)
10h – Schiaparelli
11h – Ulyana Sergeenko **
12h – Iris Van Herpen **
13h – Georges Hobeika **
14h30 – Christian Dior
16h – Maison Rabih Kayrouz
17h – Ralph&Russo **
18h – Antonio Grimaldi **
19h30 – Giambattista Valli
20h30 – Azzaro Couture **

Terça-feira (22/01)
10h – Chanel
12h – Chanel
13h30 – Alexis Mabille
14h30 – Stéphane Rolland
15h30 – Julien Fournié
16h30 – Alexandre Vauthier
18h – Giorgio Armani Privé *
19h – Giorgio Armani Privé *
20h30 – Givenchy

Quarta-feira (23/01)
10h – Maison Margiela
11h – Franck Sorbier
12h30 – Elie Saab *
13h30 – Rvdk Ronald Van Der Kemp **
14h30 – Jean Paul Gaultier
16h – Viktor&Rolf *
17h – Zuhair Murad **
18h – Valentino *
19h – Guo Pei **
20h30 – Balmain Paris **

Quinta-feira (24/01)
9h – Haute Joaillerie
10h – Yuima Nakazato **
11h – Aganovich **
12h – Xuan **

* Membros representantes
** Membros convidados

Para outras dicas e novidades sobre o mundo da moda, não deixe de visitar o meu Instagram. Até a próxima!

Colaborou Hebert Madeira

Últimas notícias