Notícias, furos e bastidores de política e economia. Com Gustavo Zucchi e Victoria Abel

Na Celac, Lula agradece apoio contra invasões golpistas em Brasília

Em discurso na cúpula da Celac, Lula agradeceu manifestações de países do grupo em repúdio às invasões golpistas de 8 de janeiro em Brasília

atualizado 24/01/2023 12:48

Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante cerimônia no Planalto Ricardo Stuckert/PR

Buenos Aires – Em discurso nesta terça-feira (24/1), na 7ª cúpula da Celac (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos), o presidente Lula agradeceu as manifestações de países do grupo em repúdo às invasões golpistas que ocorreram em Brasília no dia 8 de janeiro.

“Quero aqui aproveitar para agradecer a todos e a cada um de vocês que se perfilaram ao lado do Brasil e das instituições brasileiras, ao longo destes últimos dias, em repúdio aos atos antidemocráticos que ocorreram em Brasília. É importante ressaltar que somos uma região pacífica, que repudia o extremismo, o terrorismo e a violência política”, declarou Lula.

O mandatário brasileiro afirmou que a maior parte dos desafios contra o extermismo e violência política é de “natureza global e exige respostas coletivas”. “Não queremos importar para a região rivalidades e problemas particulares. Ao contrário, queremos ser parte das soluções para os desafios que são de todos”, disse.

O presidente brasileiro defendeu que os países latino-americanos e caribenhos têm uma “clara contribuição” a ser dada “para a construção de uma ordem mundial pacífica, baseada no diálogo, no reforço do multilateralismo e na construção coletiva da multipolaridade”.

Nesse contexto, Lula afirmou serem “essenciais” o desenvolvimento e o aprofundamento dos diálogos com os países sócios extra regionais da Celac. Entre eles, o petista citou a União Europeia, a China, a Índia, a Asean (Associação das Nações do Sudeste Asiático) e, “muito especialmente, a União Africana”.

“As diversas crises que vivemos hoje no mundo demonstram o valor da integração. A pandemia da Covid-19 evidenciou os riscos associados à excessiva dependência que temos de insumos fundamentais para o bem-estar de nossas sociedades”, declarou o chefe do Palácio do Planalto.

Lula defendeu que a estratégia de desenvolvimento da região deve caminhar junto à redução da desigualdade em diversas áreas. Entre eleas, a racial e “a desigualdade e a violência de gênero que atingem metade de nossas populações”. Ele pregou ainda respeito aos povos originários.

“Exceção lamentável” de Bolsonaro

O mandatário brasileiro afirmou que, ao longo dos sucessivos governos brasileiros desde a redemocratização em 1985, houve um empenho do país em prol da da integração regional e na consolidação de uma região pacífica, baseada em relações marcadas pelo diálogo e pela cooperação.

” A exceção lamentável foram os anos recentes, quando meu antecessor tomou a inexplicável decisão de retirar o Brasil da Celac”, lembrou Lula, sem citar nominalmente o ex-presidente Jair Bolsonaro, que decidiu retirar o Brasil do bloco em janeiro de 2020.

Mais lidas
Últimas notícias