Estão fazendo tempestade em copo d’água, diz Queiroga sobre vacinação de adolescentes

O Ministério da Saúde suspendeu a imunização desse grupo na quinta-feira para investigar um evento adverso causado pela vacina

atualizado 17/09/2021 13:12

Ministro Marcelo Queiroga fala suspensao da vacina da Pfizer para adolescentes em coletiva de imprensa no ministério da saúde 4Igo Estrela/Metrópoles

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, avaliou à coluna que as pessoas “estão fazendo tempestade em copo d’água”, ao criticarem a suspensão da vacinação de adolescentes sem comorbidades no Brasil, recomendada pela pasta na quinta-feira (16/9).

Queiroga argumenta que a decisão é apenas “cautelar” e visa averiguar um evento adverso causado pela vacina – algo que o ministério fez há alguns meses com grávidas. “Se ficar comprovado que não tem problema, a gente volta”, disse o titular da Saúde.

Ele alega que a suspensão é importante para dar segurança à população e arrefecer críticas do movimento antivacina. “Esses efeitos adversos é que levam aos movimentos antivacina”, declarou, destacando que o fato de ter tido um óbito “não invalida a vacina”.

À coluna o ministro também negou que a pasta tenha suspendido a vacinação por ordem do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Segundo Queiroga, o chefe do Executivo federal teria apenas ligado para questionar sobre o efeito adverso causado em uma adolescente, sem impor a interrupção da imunização.

Apesar de dizer que a medida é temporária, o ministro fez questão de afirmar que a vacinação de adolescentes no mundo está “longe de ser consenso”. Ele nega, porém, que a suspensão no Brasil tenha a ver com a falta de doses para serem aplicadas.

Queiroga afirmou ainda que os estados que não seguirem a recomendação do ministério terão de se responsabilizar por eventuais problemas. “Que mantenham e se responsabilizem por isso. Não vou me responsabilizar. Eles que vão se responsabilizar”, disse o ministro.

Últimas notícias