Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Paulo Cappelli

Tradução de O alquimista, de Paulo Coelho, atinge 92 idiomas (ou mais)

O alquimista foi traduzido para pelo menos oito novos idiomas em 2021, chegando ao total de 92 diferentes línguas

atualizado 22/01/2022 12:14

Niels Ackermann / Rezo.ch

O alquimista, o livro de Paulo Coelho de maior sucesso, foi traduzido para pelo menos oito novos idiomas em 2021, chegando ao total de 92 diferentes línguas.

São eles:

– hausa, da África Central, e uma das línguas mais importantes de todo o continente;
– kiswahili, um dos idiomas oficiais de Quénia, Ruanda, Tanzânia e Uganda;
– somali, idioma falado em Somália, Etiópia, Quênia e Djibuti;
– tagalog, um dos principais das Filipinas;
– tâmil, falado no Sul da Índia, em Sri Lanka, Mianmar, Malásia, Indonésia, Vietnã, Singapura e em parte da África;
– zulu, uma das 11 línguas oficiais da África do Sul
– yorubá, usado em ritos afro-brasileiros, e falado no Sul do Saara, principalmente na Nigéria, e por minorias em Benim, Togo e Serra Leoa;
– quirguiz, idioma falado em Quirguistão, China, Afeganistão, Cazaquistão, Tajiquistão, Turquia, Uzbequistão, Paquistão e Rússia.

O número, entretanto, deve ser bem maior. Explica Paulo Coelho:

“Existem várias línguas que não são ‘oficialmente’ reconhecidas pela minha agência, porque não pediram autorização (para a tradução)”.

 

Foto enviada a Paulo Coelho do lançamento da edição de “O alquimista” no idioma kannada, na cidade de Mangalore, na Índia: escritor perdeu a conta do total de traduções do livro

Volta e meia, a agência literária do escritor toma conhecimento de mais alguma tradução, como uma feita no ano passado para o idioma clássico kannada, falado por cerca de 38 milhões de pessoas que vivem no estado de Karnataka, na Índia, e em regiões fronteiriças — segundo dados do começo do século. Em 2008, o governo da Índia concedeu o status de língua clássica ao kannada.

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna