Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Naomi Matsui

Planalto aceitou reunião com Zé Trovão em minutos

Pedido partiu de gabinete de deputado bolsonarista; investigado pelo STF, Zé Trovão está foragido no México

atualizado 02/10/2021 13:06

Zé TrovãoReprodução/Redes sociais

O Palácio do Planalto levou poucos minutos para aceitar receber em uma reunião o caminhoneiro Zé Trovão. O encontro aconteceu em 11 de agosto. No mesmo mês, Trovão se tornaria investigado pelo STF por supostos ataques à democracia. Hoje, está foragido no México.

O pedido de reunião partiu do gabinete do deputado bolsonarista Nelson Barbudo, do PSL de Mato Grosso. Às 14h24 daquele dia, por meio do endereço oficial de e-mail do deputado, uma assessora solicitou uma reunião à Secretaria de Articulação Social da Presidência.

O encontro teria de acontecer naquele mesmo dia, com vistas a “tratar sobre caminhoneiros autônomos”, escreveu a assesora de Barbudo, acrescentando que haveria três convidados: Marcos Gomes, o Zé Trovão, e os empresários Turibio Torres e Juliano Martins. Os três tornaram-se alvos do STF.

Apenas meia hora depois, às 15h, já no Planalto, o grupo assinava a lista de presença da reunião com Gabriele Olivi, secretária de Articulação Social. Segundo a ata da reunião, Zé Trovão disse que estava organizando uma manifestação no 7 de Setembro, sem dar mais detalhes.

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna