Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Lucas Marchesini

Os livros mais vendidos do primeiro final de semana de Bienal

"As coisas que você só vê quando desacelera" foi um dos livros mais vendidos do final de semana

atualizado 07/12/2021 13:56

Agência Brasil

O livros mais vendidos do primeiro final de semana da Bienal do Livro no Rio de Janeiro foram desde temas sobre bem-estar mental a obras com sobrecarga emocional e sobre abusos.

“As coisas que você só vê quando desacelera”, do escritor budista Haemin Sumin, foi a obra mais vendida da editora Sextante. Da Intrínseca, foi o romance infantojuvenil do escritor americano Adam Silvera, “Os dois morrem no final”.

Do Grupo Editorial Record, o livro mais vendido foi “É assim que acaba”, de Coleen Hoover, um romance que aborda temas como violência doméstica e abuso sexual.

O novo lançamento de Mario Sergio Cortella, “Sabedorias para partilhar”, foi a obra mais vendida da editora Vozes. No pocket book, o autor compartilha 70 pensamentos que convidam o leitor a refletir sobre a vida.

Da Globo Livros, a obra mais vendida foi “Battle Royale“, do autor japonês Koushun Takami e que inspirou a série Round 6, do Netflix. Na categoria dos transmídia, o livro “Clube do livro dos Homens”, que vai virar um filme da Netflix em 2022, foi o mais vendido da editora Arqueiro.

A história da escritora negra Carolina Maria de Jesus, escrito por Orlando Nilha, foi o mais vendido da editora Mostarda. A biografia conta a trajetória da empregada doméstica que, ao lançar o livro “Quarto de despejo: diário de uma favelada”, tornou-se uma das escritoras mais importantes da literatura brasileira.

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna