Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Paulo Cappelli

O que as pesquisas encomendadas pelo PSDB dizem sobre João Doria

O PSDB encomendou diversas pesquisas qualitativas para tentar diminuir os altos índices de rejeição apresentados por João Doria

atualizado 23/01/2022 9:12

Fotografia colorida de João Doria, governador do estado de São Paulo. Ele aparece dos ombros para cima, usando máscara preta no rosto. É um homem branco, de cabelos castanhos penteados para o lado. Veste moletom azul-escuro e segura microfone com a mão direita. Ao fundo, desfocado, a bandeira do BrasilRodrigo Zaim/ Especial Metrópoles

As pesquisas qualitativas encomendadas pelo PSDB para medir a rejeição a João Doria têm apresentado um padrão nos últimos meses. Os resultados apontam que a aversão de parte do eleitorado ao governador de São Paulo é de ordem pessoal e não tem relação com a gestão estadual.

Doria aparece mal no ranking de pré-candidatos mais rejeitados pela população desde que institutos começaram a medir as intenções de voto para a eleição. Na última pesquisa do Datafolha, 34% dos eleitores declararam que não votariam de jeito nenhum no tucano. Lula apresentou rejeição idêntica a Doria, enquanto Bolsonaro é desprezado por 60% dos eleitores.

Aliados admitem que reduzir a rejeição a Doria será difícil porque o governador é um político afeito a aparições midiáticas, ou seja, já é conhecido por boa parte da população. Por isso, o tucano foi aconselhado a diminuir a frequência de entrevistas e evitar temas relacionados à política nacional até março. A ideia é deixá-lo longe de problemas após o desgaste causado pelas prévias.

Nos próximos meses, Doria dificilmente falará em público, por exemplo, sobre a eleição da Executiva Nacional do PSDB, prevista para maio. Se lhe forem feitas perguntas sobre o assunto, ele deverá desviar e dizer que está focado na gestão de São Paulo. Assim, os tucanos esperam que as tratativas para unificar o partido caminhem longe dos holofotes da imprensa, o que poderia acirrar divergências.

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna