metropoles.com

MP apura violência política de gênero contra 4 parlamentares do PSol

Pena pode chegar a quatro anos de prisão; ameaças e ataques aconteceram em São Paulo, Rio de Janeiro, São Caetano do Sul (SP) e Niterói (RJ)

atualizado

Compartilhar notícia

Foto: Aline Massuca/Metrópoles
Benny Briolly (Psol), vereadora de Niterói
1 de 1 Benny Briolly (Psol), vereadora de Niterói - Foto: Foto: Aline Massuca/Metrópoles

O Ministério Público Eleitoral (MPE) investiga se quatro deputadas estaduais e vereadoras do PSol sofreram violência política, o que inclui assédio e ameaça por ser uma mulher com cargo público. A informação foi enviada na segunda-feira (20/6) pelo MP Eleitoral à bancada do PSol na Câmara, que havia cobrado investigações sobre os quatro casos.

As apurações foram encaminhadas pelo MPE federal a procuradorias em São Paulo, Rio de Janeiro, São Caetano do Sul (SP) e Niterói (RJ). As vítimas foram, respectivamente, a deputada estadual Mônica Seixas; a deputada estadual Renata Souza; a vereadora Bruna Biondi; e a vereadora Benny Briolly.

O Código Eleitoral prevê prisão de um a quatro anos para o crime de violência política. A lei proíbe “assediar, constranger, humilhar, perseguir ou ameaçar” candidatas ou políticas, com “menosprezo ou discriminação”.

Em 19 de maio, o deputado estadual Rodrigo Amorim, do PSL do Rio de Janeiro, disse no plenário da Assembleia Legislativa fluminense que a vereadora trans Benny Briolly era uma “aberração da natureza”. “O vereador homem de Niterói parece um belzebu, porque é uma aberração da natureza”, disse o bolsonarista que na eleição quebrou uma placa da vereadora Marielle Franco, executada há quatro anos.

Dois dias antes, o deputado estadual Wellington Santos, do Republicanos de São Paulo, ameaçou “colocar um cabresto na boca” da colega Mônica Seixas, que é negra. “Mas num momento que eu estiver ali [presidindo a sessão], eu vou sempre colocar um cabresto na sua boca“, disse, em referência ao equipamento colocado na boca de cavalos.

Ainda em 17 de maio, em São Caetano do Sul, o vereador Gilberto Costa, do Avante, divulgou o endereço da colega Bruna Biondi e de familiares da parlamentar do PSol. Costa também estimulou que crimes de ódios fossem cometidos contra Bruna Biondi e sua família.

No ano passado, no Rio de Janeiro, a deputada estadual Renata Souza ouviu o seguinte do colega Rodrigo Amorim: “Quanto a senhora lucrou vendendo as memórias e confidências de Marielle?”, questionou o bolsonarista. Marielle Franco ocupava um mandato pelo PSol na Câmara Municipal do Rio de Janeiro até 2018, quando ela e o motorista Anderson Gomes foram assassinados. O crime segue sem solução.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comGuilherme Amado

Você quer ficar por dentro da coluna Guilherme Amado e receber notificações em tempo real?

Notificações