Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Paulo Cappelli

Militares que foram do Planalto de Bolsonaro representam empresa alvo da CPI

General Severo Ramos e coronel Caminha ocuparam altos cargos na Presidência

atualizado 17/07/2021 21:26

general Roberto Severo RamosReprodução

O desconforto das Forças Armadas com militares no alvo da CPI da Covid tem ingredientes para continuar. Dois militares da reserva que passaram por altos cargos no Planalto de Jair Bolsonaro têm representado a VTCLog, empresa na mira dos senadores.

No mês passado, o vice-presidente Hamilton Mourão recebeu quatro representantes da firma em uma reunião, segundo a agenda oficial: a CEO Andreia Lima, convocada pela CPI; o proprietário Raimundo Nonato; o general Roberto Severo Ramos, como consultor; e o coronel Luiz Henrique Frazão Caminha, sem função informada.

Severo Ramos e Caminha são militares da reserva. O primeiro despachou no Planalto até junho de 2019, nos governos Temer e Bolsonaro, onde chegou a ser o número dois da Secretaria-Geral da Presidência. O coronel Caminha, por sua vez, trabalhou na Presidência em 2019 e foi diretor de Integração Produtiva e Desenvolvimento Econômico, também da Secretaria-Geral.

No último dia 7, após a prisão de Roberto Dias, ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde por mentir à CPI, disse o presidente da comissão, Omar Aziz: “Os bons das Forças Armadas devem estar muito envergonhados com algumas pessoas que hoje estão na mídia”. Em resposta, uma nota do Ministério da Defesa e os comandantes das Forças Armadas afirmava que não aceitariam “ataque leviano”.

(Atualização às 21h25 de 17 de julho de 2021: Em nota, a VTCLog afirmou que “atua com governança corporativa e plena legalidade em suas relações privadas e governamentais”. Os profissionais da empresa são de referência nacional, seguiu o comunicado, e a VTCLog “está e sempre esteve à disposição de prestar todos os esclarecimentos” às autoridades.)

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna