Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Lucas Marchesini

Mesmo preso, Daniel Silveira gastou R$ 19,7 mil da Câmara com combustível e pedágio

Deputado é alvo do MPF por uso da cota parlamentar

atualizado 29/08/2021 11:08

Policia Federal realiza buscas no gabinete de Daniel Silveira no anexo 4 da Câmara FederalHugo Barreto/Metrópoles

Daniel Silveira segue recebendo reembolso da Câmara por gastos com combustível, táxi e pedágio, mesmo estando preso, antes em regime fechado e, agora, em domiciliar.

Desde março, mês seguinte à sua prisão, Silveira recebeu R$ 19,7 mil de reembolso por meio da cota parlamentar.

Ao todo, o deputado registrou R$ 18,6 mil com despesas de combustível, R$ 1,1 com táxi, pedágio e estacionamento.

Algumas notas mostram a compra de centenas de litros. Em 26 de março, por exemplo, foram comprados 551 litros de gasolina comum, num total de R$ 3.421.

À coluna a assessoria do deputado afirmou que os gastos correspondem ao cumprimento de agendas de assessores do parlamentar dentro do estado do Rio de Janeiro.

Pelas regras da Câmara, a cota parlamentar pode ser usada por funcionários dos congressistas. As notas, no entanto, constam no nome do próprio Silveira.

Em julho, o MPF entrou com ação de improbidade administrativa contra Silveira pelo uso da cota parlamentar para pagar suposta consultoria legislativa, serviço que não foi comprovado.

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna