metropoles.com

Ganha força no STJ jogar escolha de ministros para próximo presidente

A campanha de ministros do STJ para adiar até 2023 a escolha de dois nomes para o tribunal ganhou força

atualizado

Compartilhar notícia

imagem colorida do Superior Tribunal de Justiça (STJ)
1 de 1 imagem colorida do Superior Tribunal de Justiça (STJ) - Foto: null

A série de demonstrações de Jair Bolsonaro de que quer aparelhar o Judiciário fez ganhar força a campanha de alguns ministros do STJ que querem deixar para 2023 a escolha dos nomes para preencher as duas vagas abertas atualmente no tribunal.

O STJ precisa preencher duas vagas e, para isso, os ministros elegerão lista quádrupla apenas com o nome de desembargadores federais.

O debate será retomado em fevereiro de 2022, depois que acabar o recesso do Judiciário. O grupo que defende levar para 2023 tentará primeiro empurrar a decisão para o segundo semestre de 2022, para, com a pressão das eleições, argumentar que o natural é deixar a escolha para o futuro novo presidente.

Além do STJ, Bolsonaro poderá nomear 75 desembargadores de uma só vez no próximo ano. O presidente não tem escondido a sua intenção de escolher nomes aliados. Em um culto para celebrar a posse de André Mendonça no STF, o mandatário da República disse que o ministro será “mais uma pessoa ao lado da nossa Constituição” e que ele representa uma “renovação” na Corte.

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comGuilherme Amado

Você quer ficar por dentro da coluna Guilherme Amado e receber notificações em tempo real?

Notificações