metropoles.com

Crítico de museu, Salim Mattar usou Lei Rouanet para abater impostos

Fundado da Localiza afirmou ser um “absurdo investir num museu enquanto temos crianças abandonadas”

atualizado

Compartilhar notícia

Alan Teixeira/Divulgação
salim-mattar
1 de 1 salim-mattar - Foto: Alan Teixeira/Divulgação

Ex-secretário do governo Bolsonaro, o empresário Salim Mattar se contradisse ao criticar a destinação de recursos públicos para a cultura, com o Museu da Língua Portuguesa. Neste domingo (1/8), Mattar afirmou ser um “absurdo investir num museu enquanto temos crianças abandonadas”. Entretanto, a Localiza, empresa fundada por Mattar, já teve R$ 8,4 milhões de incentivos a projetos culturais via Lei Rouanet, que permite a dedução de impostos.

A Localiza usou o mecanismo para apoiar 81 projetos desde 1995 até 2020, a maior parte feita enquanto Mattar estava na companhia. O empresário deixou a presidência da Localiza em 2013 e seu conselho de administração no fim de 2018.

O principal projeto apoiado pela Localiza, inclusive, foi um museu, o de Inhotim: recebeu um total de R$ 1,2 milhão.

Disse Mattar ontem:

“Criou-se uma comovente alegria com a reinauguração do museu da língua portuguesa. Absurdo investir num museu enquanto temos crianças abandonadas, moradores vivendo debaixo de viadutos e policiais sem as devidas condições para fazer segurança. PÉSSIMA ALOCAÇÃO DE RECURSOS!”.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comGuilherme Amado

Você quer ficar por dentro da coluna Guilherme Amado e receber notificações em tempo real?

Notificações