Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Naomi Matsui

CPI cobrará Ernesto e diplomata por lives negacionistas do Itamaraty

CPI quer que Ernesto Araújo e diplomata Roberto Goidanich sejam responsabilizados pela organização das lives que espalharam conteúdos falsos

atualizado 29/07/2021 7:12

Ernesto Araujo e Omar Aziz na CPI da CovidRafaela Felicciano/Metrópoles

A CPI da Pandemia quer que Ernesto Araújo e o diplomata Roberto Goidanich, que presidiu a Fundação Alexandre de Gusmão, o braço de estudos do Itamaraty, sejam responsabilizados pela organização de lives que espalharam conteúdo falso sobre o coronavírus e dificultaram o combate à pandemia.

Goidanich presidiu a Fundação durante toda a gestão de Ernesto Araújo, quando organizou lives com todo o tipo de bolsonarista, desde ativistas, como Alexandre Garcia e Alan dos Santos, até teóricos da conspiração e youtubers, como Filipe Martins — que, além de influenciador, até hoje assessora Bolsonaro no Planalto.

A CPI prepara ofício ao Itamaraty, para que o ministério informe os custos das lives. A ideia é constar do relatório final que o valor seja cobrado dos dois diplomatas.

0

Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna