Com Bruna Lima, Eduardo Barretto e Naomi Matsui

Chico Alencar critica saída de Freixo em carta ao PSol

Marcelo Freixo anunciou que está deixando o partido após 16 anos

atualizado 11/06/2021 12:57

Fotos Públicas/Reprodução

Chico Alencar publicou hoje uma carta reafirmando sua filiação ao PSOL. O conteúdo da carta claramente foi uma crítica à decisão de Freixo de deixar o partido, anúncio feito hoje. O deputado federal se colocou como pré-candidato ao governo Fluminense e irá se filiar ao PSB.

Chico Alencar escreveu sobre a importância de se reafirmar valores e crenças em momentos da vida.

Num momento, faz uma crítica ao pragmatismo, uma das razões que fez Freixo deixar o partido, que é muito seletivo — ou, seletivo, a depender de que lado você está da discussão — nas alianças.

“Ao contrário do que podem sentir alguns, o PSol não me limita, me faz melhor como figura pública“.

Leia a integra da carta de Chico Alencar.

“CARTA DE CONFIRMAÇÃO DE FILIAÇÃO AO PSOL
“Nascer não basta. É para renascer que nascemos” (Pablo Neruda)
Há momentos na vida em que é preciso reafirmar valores e crenças. Não dogmas, mas convicções e utopias – várias e mutáveis, mas imprescindíveis.
Gosto de pertencer ao Partido Socialismo e Liberdade, como os nossos 240.631 filiados no Brasil inteiro, incluindo os 56 mil que vieram desde outubro passado. Somos um partido em construção e crescimento, com vocação de grandeza. Ao contrário do que podem sentir alguns, o PSOL não me ‘limita”: me faz melhor como figura pública.
Teria 500 ou 50 razões para permanecer no PSOL, mas resumo em cinco:
1 – O PSOL é um partido que busca ser fiel ao seu próprio nome: Socialismo e Liberdade. Procura manter a dimensão sem a qual qualquer organização política que não seja da ordem perde a razão de ser: o sonho de uma sociedade igualitária, da democracia sem fim. O PSOL é comprometido com a transformação social e com a ética pública;
2 – O PSOL tem princípios e programa, em constante atualização. Não quer controlar os movimentos sociais, e sim estimulá-los. Não se acredita portador único das urgentes mudanças, mas é agente delas, junto com outras forças – sem se diluir ou perder a identidade;
3 – O PSOL não é um partido meramente eleitoral – como quase todos: é do cotidiano, da cidadania ativa diária. Nossa força vital vem dos militantes, dos núcleos de base, dos setoriais da diversidade da sociedade: juventude, negra/os, mulheres, LGBTI+, ecossocialista, educação, saúde…
4 – O PSOL disputa eleições apresentando projetos coletivos, colocando o programático acima do “pragmático”. Entende a necessidade de alianças e coligações a partir de uma plataforma comum, a ser construída em uma mesa de unidade – nas lutas contra o neofascismo, desde já; na disputa de 2022, a ser construída sem hegemonismos e com propostas para um outro Brasil, numa perspectiva progressista e ampla, sem sectarismos e sem ilusões com a direita;
5 – O PSOL cobra, saudavelmente, de cada parlamentar uma atuação como bancada, combate o individualismo (grande sedução da institucionalidade burguesa, arraigada na cultura nacional), tem atenção crítica e saudável em relação às nossas palavras e votos, tanto quanto não vacila na defesa dos seus mandatários, quando alvo dos ataques dos poderosos a quem combatemos.
Sigo acreditando que “um violino, por mais afinado que seja, não substitui uma orquestra”. (Chico Alencar, filiado ao PSOL desde 2005, vereador pelo Partido no Rio)”

Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna