Observadora do cenário político do DF, lança luz nos bastidores do poder na capital.

STF derruba lei do DF que regula corte de luz por falta de pagamento

Os ministros do Supremo Tribunal Federal, por maioria, julgaram parcialmente procedente a ADI que questionava a Lei nº 4.632, de 2011

atualizado 18/02/2021 15:05

cabos de energia eletricaIgo Estrela/Metrópoles

O Supremo Tribunal Federal (STF), por maioria, declarou inconstitucional a parte da Lei Distrital nº 4.632, de 2011, que regula o corte dos serviços de energia, telefonia e internet por falta de pagamento. A ação direta de inconstitucionalidade (ADI) foi julgada por meio de sessão virtual, finalizada na sexta-feira (12/2).

Segundo o dispositivo legal, somente após a prévia comunicação da prestadora do serviço ao usuário é que poderia ocorrer a suspensão. A lei estabelecia que, para realizar corte de água ou luz, era necessário esperar o atraso chegar a 60 dias ou mais. Esses serviços não poderiam, conforme a norma, ser interrompidos na sexta-feira, no sábado, no domingo ou na véspera de feriado.

O ministro do STF Luís Roberto Barroso disse que a União detém competência privativa para legislar sobre energia e telecomunicações. Na avaliação do ministro, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) têm normas claras sobre a interrupção dos serviços por falta de pagamento.

“A lei impugnada, ao estipular regras sobre a suspensão dos serviços de energia elétrica, telefonia fixa e móvel e internet, invadiu a esfera de competências do ente federal”, ressaltou Barroso.

Em relação à legislação sobre o corte de água, entretanto, o ministro do STF entendeu que a responsabilidade do serviço é do governo local. Portanto, ele votou pelo não cabimento da ADI nesse caso.

O voto do ministro Luís Roberto Barroso foi seguido por Alexandre de Moraes, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Luiz Fux e Nunes Marques. Edson Fachin, Marco Aurélio, Ricardo Lewandowski e Rosa Weber optaram pela improcedência da ADI e foram vencidos pela maioria.

A ADI é de autoria de Rodrigo Rollemberg (PSB) e foi ajuizada quando ele era governador do DF. Os ministros julgaram a ação parcialmente procedente.

Últimas notícias