Observadora do cenário político do DF, lança luz nos bastidores do poder na capital.

Secretaria de Saúde do DF usa seringas de adulto para vacinar crianças

Uma nota técnica da Secretaria de Saúde do DF admite falta de seringas para aplicar vacinas em crianças e orienta uso do item adulto

atualizado 05/05/2022 15:23

Fotografia colorida de profissional de saúde mostrando seringa para criança Vinícius Schmidt/Metrópoles

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal orientou que a aplicação de vacina em crianças ocorra com seringas para adultos. Especialistas ouvidos pela coluna concordam que a seringa adulta pode machucar os pequenos, já que eles têm fibras e massas musculares menores do que as dos adultos.

Também existe o risco de o líquido ser repelido após a aplicação, de modo que a eficácia do imunizante pode ser prejudicada.

Covid-19: o que se sabe até agora sobre a vacinação de crianças

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
Publicidade do parceiro Metrópoles 6
Publicidade do parceiro Metrópoles 7
Publicidade do parceiro Metrópoles 8
Publicidade do parceiro Metrópoles 9
0

Em nota técnica obtida pela coluna, a Gerência da Rede de Frio, da Diretoria de Vigilância Epidemiológica, alega que os três pregões eletrônicos para a compra de seringas de 3 ml, com tamanho de 20×2,5, falharam porque as amostras enviadas pelos fabricantes foram reprovadas. Essas são as seringas ideais para as crianças.

O estoque já estava pequeno, mas reduziu ainda mais após o início da campanha de imunização contra a Covid-19 para o público a partir de 5 anos, em janeiro de 2022, segundo o documento oficial emitido no dia 24 de abril deste ano.

Os gestores da Rede de Frio, que controla o armazenamento de vacinas e insumos para imunização, disseram no documento que as seringas enviadas pelo Ministério da Saúde também não são suficientes para atender a atual demanda infantil.

Sem as seringas destinadas para o atendimento das crianças, a pasta optou por recomendar o uso do equipamento maior, que tem agulha de tamanho 25×6 ou 25×7.

O Ministério Público de Contas do DF investiga o caso. O órgão recebeu denúncia sobre a falta de seringas adequadas para atender a população infantil. À coluna o MPC-DF disse que os fatos são apurados e ainda não há conclusão sobre existência ou não de irregularidades.

À coluna, o Ministério da Saúde disse que, “devido à disponibilidade limitada de insumos no mercado, a pasta flexibilizou o uso de seringas de 3ml, mantendo preservada a orientação da agulha 24G ¾ (20×0,55 mm), estéril para administração da vacina pediátrica, conforme a publicação da Nota Técnica nº 25/2022”.

O outro lado

Em nota, a Secretaria de Saúde informou que deu treinamentos sobre a técnica de aplicação de vacinas com seringas de 3ml, com agulha de 25×6 ou 25×7, para todas as equipes de vacinação. “Durante o treinamento foi informado que a agulha deve ser introduzida de modo suave e seguro através da pele e do tecido subcutâneo em direção ao músculo.”

A pasta afirmou que “existem processos de aquisição em andamento para a compra de todas as versões de seringas padronizadas pela SES-DF”. “A compra do material de 3 ml 20×5,5 fracassou em três pregões, devido a reprovação nas amostras enviadas pelos fabricantes. Em outro pregão, no final do mês passado, a SES conseguiu habilitar uma empresa para finalizar o processo e aguarda entrega por parte do fornecedor”, assinalou.

Por fim, a Secretaria de Saúde pontuou que o envio de seringas pelo Ministério da Saúde é “apenas para atender a vacinação contra a Covid-19, por se tratar de uma campanha de emergência”. “A pasta segue aguardando programação do órgão federal para o recebimento de novas remessas deste insumo”, ressaltou.

Mais lidas
Últimas notícias