Observadora do cenário político do DF, lança luz nos bastidores do poder na capital.

Proposta do PPCUB ameaça qualidade de vida do Plano Piloto

Declarações do secretário de Habitação sobre projeto preocupam especialistas e Unesco, contrários ao adensamento da ocupação do Plano Piloto

atualizado 20/12/2021 10:56

Foto de BrasíliaIgo Estrela/Metrópoles

Declarações do secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh), Mateus de Oliveira, vão na contramão do que organizações e especialistas indicam para preservar a capital federal tal qual foi concebida. Na última terça-feira (14/12), Oliveira disse ao Correio Braziliense que “a atualização da legislação da área tombada é uma recomendação da Unesco”. Da forma como foi colocada pelo secretário, parece haver legitimação do órgão internacional para mudanças na ocupação de Brasília, o que não é verdade.

Pelo contrário. Em junho de 2021, a Unesco apresentou grande relatório sobre patrimônios mundiais e fez algumas recomendações. Saudou o fato de o Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília (PPCUB) estar em revisão, desde que vise consolidar e proteger a concepção urbanística do Plano Piloto, e não a abertura de novos lotes na região.

 

Publicidade do parceiro Metrópoles
0

Com preocupação, a Unesco citou a proposta desenvolvida pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação para permitir moradia no Setor Comercial Sul (SCS) e projeto de novo bairro no Pátio Ferroviário de Brasília, na antiga Rodoferroviária, uma região que, apesar de não integrar diretamente o conjunto urbanístico de Brasília, está tão perto que impacta diretamente o centro da capital federal. Segundo o relatório, a mudança de uso no SCS implicaria alteração das escalas previstas no Plano Piloto projetado por Lucio Costa. Já no caso do residencial no fim do Eixo Monumental, a Unesco diz que seria “uma alteração irreversível de parte do plano original de Brasília”.

Veja quais são as quatro escalas do Plano Piloto no projeto de Lucio Costa:

Publicidade do parceiro Metrópoles
0

“O impacto negativo desta proposta [novo bairro na antiga Rodoferroviária] não se limitaria aos aspectos visuais, causados ​​pela sua proximidade com o Eixo Monumental, mas também resultaria na alteração da relação entre o Plano Piloto e suas áreas naturais circundantes, além de aumentar a pressão sobre a propriedade do Patrimônio Mundial provocada pelo incremento do número de habitantes e do tráfego de veículos”, resume.

Por esses motivos, a Unesco recomendou a interrupção de ambos os projetos em curso. Ou seja, nada de tirar do papel propostas que alterem o uso e a ocupação da capital.

O professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (UnB) Frederico Flósculo manifestou à coluna preocupação com a proposta de loteamento do Eixo Monumental, projeto aprovado recentemente na Câmara Legislativa do Distrito Federal. “O Eixo Monumental tem espaços livres que devem ser preservados, porque a cidade é uma cidade livre”, defende Flósculo. 

Os espaços livres citados pelo professor integram um dos conceitos característicos de Brasília. A capital do país não foi feita para ser uma cidade cheia de construções. Tanto que uma de suas quatro escalas previstas por Lucio Costa é a bucólica, com árvores e áreas livre, que traz o conceito de cidade-parque.

“Vazios”

Na mesma entrevista, o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação deu mais uma declaração polêmica. Ele disse ser “necessário que mais pessoas morem na área tombada, no centro ou próximas a esses lugares, para combater os vazios urbanos no DF”.

O arquiteto especialista em patrimônio histórico e artístico Rogério Carvalho explica que Brasília “é feita de vazios e densidade”. “A cidade é feita de vazios e densidade. Um depende do outro. A característica principal que deve ser mantida a todo custo é a ideia de Cidade Jardim”, frisa.

Conselheira do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (Icomos) para a região Centro-Oeste, Emília Stenzel reforçou que a matriz urbanística de Brasília é única e os vazios integram a formação da cidade. É o Icomos que produz relatórios para a Unesco.

“A matriz urbanística de Brasília tem relação específica entre volume construído e área aberta. Quando se preenche os vazios, está se tomando outra matriz e indo contra a concepção de urbanismo que tornou Brasília como Patrimônio Mundial”, salienta.

Brechas por “leis esparsas”

As mudanças na área tombada propostas pela Seduh também são vistas com preocupação pelo MPDFT. A promotora de Justiça Marilda Fontinele, da Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística (Prourb), disse à coluna que a área residencial em Brasília foi definida especificamente para estar ao longo dos eixos.

“O desenho urbanístico de Lucio Costa para o Plano Piloto definiu a escala residencial ao longo dos eixos. A alteração dessa escala para o Setor Comercial Sul vai na contramão do princípio estabelecido na Lei Orgânica do DF de preservação do conjunto urbanístico tombado”, pontua a promotora de Justiça.

Segundo Marilda Fontinele, “a referida lei, que é a carta constitucional do DF, prevê um instrumento normativo único para tratar dessa matéria: o Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília (PPCUB). Esse projeto de lei até hoje não foi encaminhado pelo Executivo à Câmara Legislativa, mas o governo insiste em propor mudanças urbanísticas na capital federal, por intermédio de leis esparsas”.

Como exemplo das mudanças pontuais feitas pelo governo, a promotora de Justiça citou a recente lei que alterou os usos permitidos das áreas do Setor de Indústrias Gráficas (SIG). Além de autorizar aumento dos prédios, foram permitidas novas atividades, como escritórios de advocacia: “A lei foi objeto de representação por inconstitucionalidade da Prourb à Procuradoria-Geral de Justiça do MPDFT. Caso as referidas alterações ocorram por esse viés, a Prourb adotará medida semelhante”.

O PPCUB está em discussão no governo há pelo menos 10 anos. Atualmente, a proposta encontra-se em análise no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). À coluna o órgão disse que deve enviar seu parecer sobre o projeto na próxima semana.

O outro lado

Em entrevista ao Metrópoles, o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação disse que o projeto de inserção de uso residencial no SCS está parado, esperando a conclusão do PPCUB para ser retomado. Sobre o Pátio Ferroviário, a Seduh aguarda a apresentação do projeto para análise. “Naturalmente, todos os esclarecimentos serão prestados para a Unesco. Está tudo ocorrendo dentro de uma lógica natural”, afirma Mateus de Oliveira.

O secretário ressalta que o PPCUB “é a grande lei que atualiza os usos de toda a área tombada”. “É uma lei muito importante para trazer maior flexibilidade de uso para todo o Plano Piloto, uma vez que muitas das leis que hoje estão em vigor são as leis da data da criação de Brasília. A cidade naturalmente evolui e, com essa evolução, é importante que os usos reflitam as necessidades dessa cidade atual, que já tem 60 anos e precisa de uma legislação atualizada”, assinala.

Questionado sobre a declaração de “combate aos vazios urbanos” na área tombada ou nas proximidades, Oliveira mudou o discurso. “Quando eu falo de vazios urbanos, me refiro mais às áreas fora do Plano Piloto”, disse.

Transformar o Plano Piloto em um amontoado de prédios interessa a quem?

Mais lidas
Últimas notícias