Observadora do cenário político do DF, lança luz nos bastidores do poder na capital.

GDF vai oferecer R$ 370 milhões para comprar o Centrad

Inaugurado às pressas em 2014, o Centrad nunca foi utilizado pelo governo. Atual gestão elabora um plano de ocupação

atualizado 09/08/2022 16:32

O Governo do Distrito Federal (GDF) vai oferecer até R$ 370 milhões à Caixa e ao Santander para quitar o financiamento referente à construção do Centrad. Esse é o valor do empreendimento, segundo avaliação da Agência de Desenvolvimento do DF (Terracap).

Idealizado como um novo centro administrativo para abrigar órgãos do GDF, o Centrad foi erguido em um terreno público pelas empresas Odebrecht e Via Engenharia, por meio de financiamento com os bancos. Inaugurados às pressas no fim do governo de Agnelo Queiroz, em 2014, os prédios nunca tiveram utilidade.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
0

Em maio de 2022, o governador Ibaneis Rocha (MDB) formalizou a anulação do contrato de Parceria Público-Privada (PPP) com o consórcio. Orçada em R$ 660 milhões, a obra executada pela Via Engenharia e a Odebrecht custou cerca de R$ 1 bilhão.

O Centrad jamais chegou a funcionar por apresentar uma série de irregularidades apontadas pelo Ministério Público e pelo Tribunal de Contas locais – o que só se agravou após a delação premiada do alto escalão da Odebrecht na Lava Jato.

Após o fim do contrato com as construtoras, o GDF prevê pagar pelo prédio, mas diretamente para os bancos que fizeram o financiamento. A oferta de R$ 370 milhões será feita em reunião marcada para esta quarta-feira (10/8).

Obras

O assessor especial do gabinete do governador, Marcelo Galvão, disse à coluna que o GDF não dará dinheiro às empresas. O imóvel, hoje, já está sob a gestão do governo local.

“Estamos fazendo um plano de ocupação e vendo quais são as atividades mais vocacionadas para o local e para o imóvel, que é importante. Estamos dependendo de alguns detalhes que são relevantes, como a finalização de 5% da obra e a resolução da questão viária, com construção de um viaduto bem em frente ao Centrad”, afirmou Galvão.

Mais lidas
Últimas notícias