Observadora do cenário político do DF, lança luz nos bastidores do poder na capital.

Donos de bares defendem retorno de grávidas vacinadas ao trabalho

Câmara dos Deputados aprovou nesta semana PL que obriga trabalho presencial a gestantes imunizadas. Setor de bares e restaurantes comemorou

atualizado 18/02/2022 16:11

Mulher grávida com mão em barriga sendo vacinada no braçoGustavo Alcântara/Metrópoles

A Câmara dos Deputados aprovou, na madrugada de quinta-feira (17/2), Projeto de Lei nº PL 2.058/2021, que determina a volta das gestantes ao trabalho presencial após a vacinação contra a Covid-19. O texto segue para sanção presidencial.

No Distrito Federal, a novidade foi comemorada pelo setor de bares e restaurantes. Beto Pinheiro, presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes Seccional do Distrito Federal (Abrasel-DF), entende que o PL conseguiu atender os dois lados em questão.

“Para o setor produtivo e, em especial, o segmento de bares e restaurantes, o projeto traz um alento, evitando novos custos para manter a colaboradora em casa e ainda ter que repor esta mão de obra, já que as atividades do setor exigem a presença física. E, para a trabalhadora gestante, significa proteção e amparo estando ela vacinada ou não”, avalia.

Segundo o texto, o afastamento é garantido apenas para as gestantes que ainda não concluíram o esquema vacinal. Para o presidente-executivo da Abrasel, Paulo Solmucci, a aprovação do projeto proporciona alívio para bares e restaurantes, e segurança para as grávidas que ainda que não foram imunizadas.

“O setor vem se recuperando, mas ainda sente o impacto da pandemia. Medidas como essa trazem segurança jurídica para o empresário, ajudam a reduzir custos e, ainda, protegem as colaboradoras”, afirma. “Para a gestante é garantia de ter uma gravidez amparada até poder se vacinar”, completa.

Já no entendimento do presidente do Sindicato Patronal de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Brasília (Sindhobar), Jael Silva, a matéria “corrige uma grande injustiça aos empresários do setor produtivo”. “Alivia o caixa do empresário, traz segurança para a gestante e ainda garante a oferta de emprego para as mulheres.”

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
0

O que diz o projeto

O PL 2.058/2021, do deputado Tiago Dimas (Solidariedade-TO), muda a Lei 14.151, de 2021. A norma garantiu o afastamento da gestante do trabalho presencial com remuneração integral durante a emergência de saúde pública provocada pelo coronavírus.

Agora, apenas as gestantes que ainda não concluíram o esquema vacinal poderão se afastar. De acordo com o projeto, a empregada grávida deve retornar à atividade presencial nas seguintes hipóteses:

  • Encerramento do estado de emergência;
  • Após a vacinação, a partir do dia em que o Ministério da Saúde considerar completa a imunização;
  • Se ela se recusar a tomar a vacinar contra a Covid, com termo de responsabilidade;
  • Se houver aborto espontâneo, com recebimento do salário-maternidade nas duas semanas de afastamento garantidas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Termo de responsabilidade

O texto considera que a opção de não se vacinar é uma “expressão do direito fundamental da liberdade de autodeterminação individual”. Segundo o projeto, se decidir não se imunizar, a gestante deve assinar um termo de responsabilidade e livre consentimento para o exercício do trabalho presencial. A emenda do Senado rejeitada pela Câmara acabava com a possibilidade de assinatura do termo de responsabilidade.

Segundo o PL 2.058/2021, caso as atividades presenciais da trabalhadora não possam ser exercidas por meio de teletrabalho, mesmo com a alteração de suas funções e respeitadas suas competências e condições pessoais, a situação deve ser considerada como gravidez de risco até a gestante completar a imunização. Só então, ela pode retornar ao trabalho presencial.

Durante o período, ela deve receber o salário-maternidade desde o início do afastamento até 120 dias após o parto. Se a empresa fizer parte do programa Empresa Cidadã de extensão da licença, o benefício se estende por 180 dias.

Mais lidas
Últimas notícias