Carros em uma velocidade e precisão que você ainda não viu.

Preço do etanol cai até 4,12% no Centro-Oeste; no DF, é o mais caro 

Índice de Preços Ticket Log mostra que, na primeira quinzena de junho, a gasolina em Brasília registrou o valor mais alto, fechando a R$ 7,8

atualizado 29/06/2022 10:06

frentista coloca bomba de gasolina e abastece carroRafaela Felicciano/Metrópoles

O último levantamento do Índice de Preços Ticket Log (IPTL), referente à primeira quinzena de junho, revela que a região Centro-Oeste registrou um recuo de 3,25%, em relação a maio, no preço do litro do etanol. Fechou, portanto, numa média de R$ 5,48. O preço da gasolina apresentou redução de 0,34% e fechou a quinzena a R$ 7,54. 

Na análise regional, o Distrito Federal registrou o preço mais alto para a gasolina, a R$ 7,80, com alta de 0,59%. Aliás, foi o único acréscimo registrado em toda a região para o combustível. A gasolina com o menor preço médio foi comercializada no Mato Grosso, a R$ 7,34. 

Assim como para a gasolina, o etanol mais caro foi registrado no Distrito Federal, a R$ 6,25, mesmo com recuo de 3,26% no preço. Como reflexo da redução de 4,12%, Goiás apresentou o menor preço médio para o combustível e fechou o período a R$ 4,98. 

Novamente, o Mato Grosso registrou as maiores médias para os dois tipos de diesel. O tipo comum fechou a quinzena a R$ 7,39, com alta de 0,39%, e o S-10, a R$ 7,59, com acréscimo de 0,84%. 

Já a menor média para o tipo comum foi comercializada nas bombas de abastecimento de Goiás, a R$ 7,00. O tipo S-10 com o menor preço foi encontrado no Mato Grosso do Sul, a R$ 7,18, e apresentou estabilidade no preço em relação ao mês anterior. 

“Diferentemente do mês passado, em que quase todo o Centro-Oeste apresentou alta no preço da gasolina e do etanol, neste início de mês o cenário mudou. Recuos expressivos foram identificados pelo IPTL em quase toda a região”, aponta Douglas Pina, Diretor-Geral de Mainstream da Divisão de Frota e Mobilidade da Edenred Brasil.

“Já o diesel continua em alta. A gasolina segue como opção mais economicamente viável para os motoristas do Distrito Federal e do Mato Grosso do Sul; e o etanol, para quem abastece em Goiás e no Mato Grosso”, diz ele.  

 

Mais lidas
Últimas notícias