As curiosidades, tendências e novidades do mundo pet

Surdez canina: como identificar e cuidar do pet

A surdez não faz do cão um ser menos independente, mas há algumas limitações e é importante saber lidar com elas

atualizado 09/01/2020 18:08

Mithul Varshan/Pexels

Cachorros surdos são encontrados em diversos lares brasileiros. Essa condição pode ser comum devido à idade ou mesmo por causa de alguma doença que o animal apresente. Entretanto, a surdez não faz do cão um pet menos independente, mas há algumas limitações, que podem e devem ser utilizadas como fonte de energia para ajudá-lo quando necessário.

Um cão surdo demonstra os sinais de forma clara e você poderá identificá-los com facilidade ou pelos menos desconfiar. Alguns indícios são básicos, como o simples ato de coçar as orelhas. No entanto, os cachorros já fazem isso no dia a dia de forma natural.

Por isso, não necessariamente um sinal será a confirmação efetiva de uma doença ou surdez, mas serve de alerta para uma observação e testes mais profundos no médico-veterinário. Confira alguns sinais:

1 – Muito tempo dormindo

Quando o animal passa muito tempo dormindo, pode significar que há algo errado. Um cachorro surdo passa várias horas dormindo, muitas vezes sem perceber, pois sua audição, que faria com que ele acordasse com facilidade, está prejudicada. Assim sendo, o tempo que o cão dorme também causa outros problemas. Um pet depressivo, por exemplo, também procurará repousar durante boa parte do dia.

Ou seja, se você notar essa condição, é importante observar de forma mais atenta e comunicar ao veterinário. Problemas silenciosos são os piores, pois você nunca sabe o que está de fato acontecendo.

2 – Muita coceira nas orelhas

Um cachorro surdo vai sentir muita coceira nas orelhas. Principalmente pela questão de que se houver incômodo, o animal vai tentar “tirar”. Seja um cão com orelhas grandes ou pequenas, essa é uma região muito sensível e quanto algo está errado, o animal ficará bastante inquieto.

Quando você notar que o animal está incomodado com algo nessa região, tente chamá-lo ou brincar com ele. Se o problema persistir, inclusive durante as brincadeiras, leve-o ao veterinário.

Leia a matéria completa no Portal do Dog.

Últimas notícias