Squirting: 5 coisas que você precisa saber sobre a ejaculação feminina

Especialista em sexualidade do canal Mulheres Bem Resolvidas, Cátia Damasceno esclarece cinco fatos sobre o efeito

MACROVECTOR/FREEPIKMACROVECTOR/FREEPIK

atualizado 29/05/2019 17:42

A palavra ejaculação costuma estar associada aos homens e ao momento que atingem o ápice sexual e gozam (consequentemente, ejaculando). Contudo, as mulheres também podem experimentar sua própria ejaculação, também conhecida como squirting ou esguicho, em tradução livre.

Especialista em sexualidade do canal Mulheres Bem Resolvidas, Cátia Damasceno esclarece cinco fatos sobre a ejaculação feminina, apontando como, por que acontece e desmistificando a reação. Confira:

1) O que é?
Quando estão sexualmente estimuladas, as mulheres podem expelir certos fluidos pela vagina, em modesta ou extensa dimensão. “O squirt é uma expulsão de grandes quantidades de líquido ejaculatório e é o equivalente à ejaculação feminina. Não se trata de um orgasmo convencional. Isso acontece quando a mulher literalmente esguicha fluidos”, explica Cátia.

2) Como é?
A sexóloga afirma que o líquido expelido é incolor e sem cheiro. “Enquanto algumas mulheres acham a experiência intensamente prazerosa, outras podem achar que é algo extremamente embaraçoso e até mesmo indesejável”, pondera.

3) Fluídos que podem ser confundidos com ejaculação feminina
Cátia explica que algumas mulheres experimentam a expulsão de fluidos durante as relações sexuais e podem achar que estão urinando acidentalmente durante o sexo. “No entanto, a verdadeira ejaculação feminina é diferente da urina em seu mecanismo físico, pelo qual os fluidos são liberados. A ejaculação pode ser confundida com lubrificação vaginal ou incontinência urinária”, esclarece.

Isso ocorre porque, durante a excitação, a vagina pode produzir um grande volume de lubrificante natural, mas isso não é considerada uma forma de ejaculação feminina. “Ainda, algumas pessoas podem sofrer de incontinência urinária durante a penetração ou orgasmo. Ela pode ser causada por uma debilidade nos músculos do assoalho pélvico ou devido à estimulação da bexiga”, exemplifica.

Estima-se que 20 a 45% das mulheres sofrem de incontinência urinária e que 66% experimentam esse problema devido à excitação ou penetração.

4) Pode não ocorrer em todas as mulheres
“O tamanho das glândulas de Skene (conhecida como a próstata feminina) varia em cada mulher. De acordo com estudos realizados pela Universidade de L’Aquila, na Itália, tê-las em um tamanho menor poderia fazer com que o fluido da ejaculação fosse para a vagina e não para fora. Isso explicaria a ausência desse fenômeno”, ensina Cátia.

5) Ejaculação é diferente de orgasmo
A mulher que não ejacula tem menos prazer daquelas que conseguem ejacular? A resposta é não, segundo Cátia. “Para conseguir alcançar o squirt é preciso estimular a região da uretra, que fica muito próxima ao clitóris, o que proporciona muito prazer. No entanto, não há nenhuma ligação entre a ejaculação e a intensidade do prazer. Por isso, se você nunca ejaculou, não quer dizer que o seu orgasmo é mais ou menos potente do que o das outras mulheres”, garante.

SOBRE O AUTOR
Tatyane Mendes

Formou-se em Jornalismo pelo Centro Universitário Iesb em 2017. Atuou na redação de veículos como Correio Braziliense, Jornal de Brasília e O Globo cobrindo editorias de educação, trabalho, sociedade, política e nacional. Compõe a equipe de Vida & Estilo auxiliando na cobertura social e elaborando matérias de comportamento, beleza e personalidades. É a atual colunista da coluna de sexo Pouca Vergonha.

Últimas notícias