Masturbe-se, mulher! Sexóloga explica importância de se tocar

Em entrevista à Pouca Vergonha, Cátia Damasceno discute o prazer feminino e outras questões atuais sobre sexualidade

atualizado 12/12/2019 14:44

Foto: Reprodução Internet

Em tempos de maior descoberta e aceitação da sexualidade, profissionais como sexólogos têm ganhado cada vez mais espaço na mídia, seja em canais do YouTube, páginas do Instagram e programas de TV aberta.

É o caso de Cátia Damasceno, autora dos blogs Mulheres Bem Resolvidas e Conversa Pra Homem, que acumula 2,6 milhões de seguidores no Instagram e mais de 5 milhões de inscritos no Youtube. A sexóloga aborda temas da sexualidade de forma leve e descontraída e tem conquistado o público.

Tendo lançado recentemente o livro Bem Resolvida, Cátia bateu um papo com a coluna sobre a obra e diversos outros aspectos de sexualidade.

O livro Bem Resolvida fala sobre como o autoconhecimento pode ajudar em todos os aspectos da vida da mulher. Você acredita que os maiores problemas das mulheres em suas vidas sexuais se dão pela falta de autoconhecimento?
Sim! O prazer feminino é um tabu gigante. A esmagadora maioria das mulheres não se toca, não se conhece, e com isso elas não têm prazer na cama pelo simples fato de que não sabem o que lhes dá prazer. Ficamos infelizes no relacionamento porque achamos que aquilo é normal, não sabemos como sair. Enquanto o homem se masturba desde jovem, – aliás, é incentivado a isso – as meninas crescem ouvindo que não podem colocar a mão lá, que é feio, é sujo! Quando uma mulher passa a se conhecer, a testar seus limites, os pontos de prazer do seu corpo, ela se torna responsável pelo seu prazer e não aceita menos do que o melhor para sua vida sexual.

Pode citar alguns exercícios diários que as mulheres podem fazer para se conhecerem de forma genuína, tanto por dentro quanto por fora?
O exercício que sempre indico pode ser feito durante o banho: em vez de se lavar correndo, demore-se na sua região íntima. Vá com calma, se tocando, descobrindo mais cada parte do corpo e também da vulva. Cada dobra, o clitóris… o objetivo é ir se familiarizando e tornando isso cada vez mais leve para você, natural como deveria ser. Vamos passar a vida toda com este corpo que temos, é um crime você não conhecer cada pedacinho dele.

Outra dica é tornar um hábito escrever sobre si mesma, colocar em palavras seus sonhos, seus medos, suas angústias, suas fantasias. Listar as coisas que você gostaria de realizar na sua vida sexual, as experiências que gostaria de viver . O objetivo é colocar pra fora o que está só no fundinho da sua mente e que muitas vezes você tem vergonha de dizer.

O livro é voltado para o público feminino, mas também é de interesse dos homens? Quais aprendizados o público masculino pode tirar do Bem Resolvida?
O livro fala um pouco com os homens, pode ser lido a dois. Além do capítulo sobre o pompoarismo masculino, tem muito sobre o prazer da mulher, onde o homem pode aprender muito a como dar mais prazer à parceira, gerando um relacionamento mais feliz e prazeroso. A cada ano converso mais com o público masculino, tanto no canal, quanto na peça de teatro, e agora um pouquinho no livro.

A pornografia, afinal, é uma aliada ou uma inimiga da sexualidade? A nova tendência de pornôs mais humanizados e realistas ajuda na construção de uma sexualidade mais saudável?
O pornô poder ser um aliado ou um vilão, dependendo de como e do que está sendo consumido. Assistir a um filme erótico juntos pode dar ideias de novas posições e fantasias, entretanto, infelizmente, a realidade é que os homens constroem suas culturas sexuais baseados nessas produções e criam uma ideia totalmente equivocada sobre o sexo. Como um filme comum, o pornô é criado, editado, e não um reflexo da realidade. Por isso, sim, essa nova geração tenta se aproximar da vida real.

Geralmente, quais são as maiores dúvidas que as (os) pacientes levam para você?
Tem uma variação de temas, mas o sexo anal ainda geram muitas dúvidas e tabus. Sexo oral também é recorrente, bem como orgasmo.

Existem indícios de que o poliamor é uma nova tendência de relacionamento. Você concorda? Se sim, a que se deve esse novo comportamento?
Toda forma de amor é válida, desde que todos os envolvidos tenham ciência e estejam de acordo. Independentemente do formato da relação, não pode faltar diálogo, são os conhecidos acordos. Se relacionar é a arte de fazer e respeitar esses acordos.

Você acredita que a tecnologia e as plataformas especializadas em encontros incentivam a traição? Ou é só um facilitador para uma coisa que é intrínseca ao ser humano?
A tecnologia ajuda a aproximar as pessoas, enquanto antes você se relacionava apenas com quem estava próximo, na mesma comunidade por exemplo, hoje você pode viver um amor à distância, matar a saudade. Acho que não é um incentivo, porque a traição parte da pessoa, não da ferramenta.

As pessoas, de uma forma geral, estão mais abertas em relação à sexualidade? Ou, mesmo quase em 2020, ainda há muitos tabus e passos a serem dados?
Acho que temos sim muitos tabus sobre o assunto, sem contar as diversas regiões do país onde falar sobre isso é um escândalo e mulheres vivem relações abusivas por acharem que aquilo é normal. Mas evoluímos muito. Quando comecei, jamais imaginei que um canal brasileiro, comandado por uma mulher, seria o maior do mundo sobre sexualidade. Também jamais imaginei que estaria falando sobre relacionamento e sexualidade de maneira leve e divertida na TV aberta. Evoluímos muito e fico feliz de ter contribuído pra isso. Mas sempre há barreiras a serem derrubadas.

Últimas notícias