Morre em Brasília, aos 93 anos, o constituinte Geraldo Campos

Fundador do PSDB, o tucano teve complicações e não resistiu a uma parada cardiorrespiratória

Divulgação/CLDFDivulgação/CLDF

atualizado 17/12/2018 16:28

Morreu, na madrugada desta segunda-feira (17/12), o ex-deputado federal constituinte pelo DF Geraldo Campos, 93 anos. Fundador do Partido da Social Democracia Brasileira, o tucano teve complicações e não resistiu a uma parada cardiorrespiratória.

Pioneiro no DF, Campos foi eleito em 1986 e participou da Assembleia Nacional Constituinte que elaborou a Constituição de 1988. Após o mandato, presidiu o PSDB no Distrito Federal até receber o cargo de presidente de honra.

O velório será nesta terça-feira (18), das 8h às 11h, na Capela 1 do Cemitério Campo da Esperança, na Asa Sul. O sepultamento está previsto para as 11h30.

Geraldo Campos foi um dos primeiros homens a habitar Brasília, em 1958, quando a cidade ainda estava em construção. Em 1960, foi eleito presidente da Associação dos Servidores da Novacap e passou a lutar, junto com os operários responsáveis pela construção da capital, por melhores condições de vida na região. Comandou a associação até 1964, quando o regime militar cassou seu mandato.

Condolências
O presidente regional do PSDB, Izalci Lucas, lamentou a morte do correligionário. Em nota, o senador eleito disse que “Geraldo Campos participou ativamente da luta pela autonomia política do Distrito Federal”. Segundo o tucano, “em 1988 foi um dos artífices mais importantes na fundação e construção do Partido da Social Democracia Brasileira, especialmente de sua representação na capital do país”.
“O PSDB do DF manifesta solidariedade à família, demais parentes e amigos neste momento de grande dor”, escreveu.

SOBRE OS AUTORES
Maria Eugênia

Formou em jornalismo pelo Centro Universitário de Brasília (UniCeub) em 1988. No Jornal de Brasília, chegou ao cargo de editora-chefe. Trabalhou também no Correio Braziliense, na Band News FM, e foi coordenadora-adjunta de Comunicação para a Copa do Mundo 2014, junto ao Governo do Distrito Federal (GDF).

Caio Barbieri

Cursou jornalismo no Centro Universitário de Brasília (UniCeub). Passou pelas redações do Correio Braziliense, Agência Brasil, Rádio Nacional e foi editor-adjunto da Tribuna do Brasil. Ocupou a assessoria especial no Ministério da Transparência e foi secretário-adjunto de Comunicação do GDF. Chefiou o relacionamento com a imprensa na Casa Civil, Vice-Governadoria, Secretaria de Habitação e na Secretaria de Turismo do DF. Fez consultoria para vários partidos, entidades sindicais e políticos da Câmara Legislativa e do Congresso Nacional. Assina a coluna Janela Indiscreta do Metrópoles e cobre os bastidores do poder em Brasília.

Últimas notícias