Cúpula do MDB adia mudança e atrasa planos de Ibaneis presidir a sigla

Reunião realizada nesta quarta-feira, no comando nacional emedebista, decidiu atrasar alterações do estatuto que beneficiariam governadores

Michael Melo/Metrópoles

atualizado 21/08/2019 21:11

A cúpula do MDB decidiu adiar os planos dos governadores filiados ao partido no sentido de assumirem o comando nacional da legenda. Em reunião nesta quarta-feira (21/08/2019), na sede nacional, os dirigentes emedebistas aprovaram, para o dia 6 de outubro de 2019, a data da convenção que escolherá o novo presidente.

Contudo, a maioria decidiu postergar a análise do item da pauta que trata da mudança do estatuto da sigla. Atualmente, as regras internas da congregação impedem que filiados com mandato no Poder Executivo possam concorrer à presidência do MDB.

Internamente, havia um movimento para editar o texto e abrir brecha para que governadores e prefeitos entrassem na disputa. A mudança favoreceria, por exemplo, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, que articula nos bastidores para conquistar a principal cadeira partidária, hoje ocupada pelo ex-senador Romero Jucá (RR).

“O estatuto avançou bastante. Tiveram discussão nos estados, a comissão aprovou, mas a Executiva decidiu que vai discutir mais para aprovar posteriormente”, disse Jucá ao Metrópoles.

Além do titular do Palácio do Buriti, acompanham a discussão interna com lupa os governadores de Alagoas, Renan Filho, e do Pará, Helder Barbalho. “São todos valores muito importantes de nosso partido”, referendou Jucá.

Segundo emedebistas, nada disso significa que os governadores estejam fora da disputa nacional. “Isso é uma construção, é um diálogo. Tudo pode acontecer de uma hora para outra. Vai depender do termômetro da Executiva”, disse um articulado membro da cúpula nacional. Contudo, a decisão desta quarta não prevê que o assunto seja analisado antes da convenção nacional de outubro.

Últimas notícias