Michael Kors e Marc Jacobs levam nostalgia ao último dia de NYFW

As marcas norte-americanas apresentaram suas coleções de primavera/verão 2020 em um clima saudosista

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty ImagesVictor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images

atualizado 12/09/2019 19:08

A Semana de Moda de Nova York abriu o circuito dos principais desfiles internacionais de primavera/verão 2020. De 6 a 11 de setembro, a programação oficial reuniu shows marcantes e autênticos. No último dia, um dos destaques ficou por conta de Michael Kors, com muitas particularidades e significados pessoais. A apresentação de encerramento do evento, feita por Marc Jacobs, também não deixou a desejar: cheia de personalidade.

Vem comigo!

 

Michael Kors

Para o spring/summer 2020, Michael Kors optou por viver uma experiência nostálgica e até familiar. Conhecida por um estilo luxuoso mais popular, a marca homônima retratou o “sonho norte-americano”.

Kors se inspirou em uma visita recente a Ellis Island, símbolo da imigração para os Estados Unidos. A bisavó hebraica do estilista chegou ao local de barco na adolescência e depois começou uma nova vida no país.

A iniciativa pode ser entendida como uma manifestação política. Afinal, a atual abordagem sobre imigração do presidente Donald Trump é considerada excludente e até xenofóbica.

Entre as peças apresentadas, suéteres com uma palavra riscada: “hate” (ódio, em tradução).  “A América é sobre imigrantes. Somos todos imigrantes ”, disse Kors à imprensa internacional.

As roupas da coleção também utilizaram referências do universo náutico: chapéus de marinheiro, âncoras e sapatos típicos de navegação. O designer celebrou, ainda, o sportwear e os trajes de banho, mesclados com a alfaiataria moderna.

Além disso, brincou com as formas: transitou por shapes acinturados e oversized, ombros marcados e mangas bufantes. Nas estampas, xadrez e poá.

Uma novidade para a edição foi o lançamento do minidocumentário Michael Kors: A Portrait, dirigido por Alison Chernick. A produção, disponível on-line, mostra detalhes da carreira do estilista, com memórias antigas, relatos atuais e percepções sobre o universo fashion.

A grife reuniu personalidades no Duggal Greenhouse, localizado no Brooklyn Navy Yard. Foram prestigiar a label nomes como Nicole Kidman, Kate Hudson, Anna Wintour, Rachel Zoe e Lucy Hale.

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Peças com mensagem de cunho político e social implícita

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Ombros marcados com elegância

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Estampa com âncoras e o toque de charme do blazer oversized

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Clássica e despojada ao mesmo tempo

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Peça de alfaiataria acinturada: chique e cool

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
O estilista apostou em padronagens suaves

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Michael Kors fez uma coleção com simbologias norte-americanas

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Gola alta no jumpsuit de alfaiataria

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Mix de estampas harmônico

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Os itens trazem referências náuticas

 

 

Marc Jacobs

A etiqueta escolhida para encerrar o calendário oficial do Nova York Fashion Week foi Marc Jacobs. O desfile foi uma homenagem ao passado, uma celebração do presente, mas também um olhar para o futuro. Tudo isso com foco na diversão.

A plateia recebeu um papel com uma citação da revista Paper Magazine, de Christopher Barnard, sobre uma coleção da marca apresentada em 10 de setembro de 2001. “Na segunda-feira à noite, antes do 11 de setembro, Marc Jacobs mostrou um desfile de moda cheio de estrelas no Pier 54, com as torres gêmeas brilhando a apenas algumas centenas de metros”, escreveu, na época.

A ideia foi repetir a dose da coleção da primavera/verão de 2002: “uma celebração da vida, alegria, igualdade, individualidade, otimismo, felicidade, indulgência, sonhos e um futuro não escrito”. O designer também caprichou em referências gerais do próprio trabalho ao longo dos anos, voltado para uma notória estética dos anos 1970.

Repleta de volume, formas e texturas, a passarela recebeu looks trabalhados na extravagância e na explosão de cores. Plumas, babados e modelagens estruturadas roubaram a cena. Destaque ainda para os acessórios, como lenços e chapéus poderosos.

Celebridades como Zendaya, Anwar Hadid e Dua Lipa foram assistir ao desfile na fila A. O show aconteceu no edifício histórico Park Avenue Armory, que fica no Upper East Side de Nova York.

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Exagero na passarela da Marc Jacobs

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
A primavera/verão 2020 da marca é descontraída

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Acessório floral e colorido em um look clássico

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Cores enérgicas em visuais sofisticados

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Marc Jacobs mergulhou em referências vintage e das próprias criações ao longo dos anos

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Modelagem ampla e retrô

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Estilo mullet reinventado

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Muitas cores e maquiagem com pegada “fantasia”

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Estética desconstruída

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Marc Jacobs também usou cintilância

 

 

Colaborou Rebeca Ligabue

 

SOBRE O AUTOR
Ilca Maria Estevão

Bacharel em psicologia pela Universidade Georgetown, em Washington D.C. (EUA). É apaixonada por moda e acompanha toda movimentação no universo fashion.

Últimas notícias