Emily Ratajkowski posa com pelos na axila e debate direito de escolha

A modelo foi convidada para escrever um texto opinativo e participar de um ensaio para a Harper's Bazaar norte-americana

Axelle/Bauer-Griffin/FilmMagic/via Getty ImagesAxelle/Bauer-Griffin/FilmMagic/via Getty Images

atualizado 12/08/2019 11:46

Emily Ratajkowski foi escolhida pela Harper’s Bazaar norte-americana para escrever um artigo para a edição de setembro da publicação. A modelo então viu o convite como uma oportunidade de falar sobre a importância do direito de escolha. Ela levantou um debate sobre opressão e feminilidade. Para ilustrar, protagonizou um shooting com os pelos da axila à mostra.

Vem comigo!

A modelo começou contando que na faculdade teve o primeiro contato com o movimento feminista. “Antes que eu vá mais longe, vamos afirmar o óbvio: eu sou uma mulher branca e cis. Tenho noção dos meus privilégios dentro de uma sociedade heteronormativa, e não pretendo agir como se a minha identidade não tivesse tornado algumas coisas mais fáceis para mim”, declarou Ratajkowski, em tradução livre.

Emily também escreveu sobre os tabus ligados a sexualidade feminina, que considera ser “fortemente influenciada pela cultura misógina”. Para a top model, as mulheres precisam entender que é preciso exercitar a capacidade de escolha.

“Me sinto poderosa quando me sinto eu mesma, e às vezes me sentir eu mesma significa usar uma minissaia. Às vezes significa usar um capuz gigante. Às vezes me sinto particularmente forte e livre quando não uso sutiã por baixo de um top”, afirmou.

Reprodução/Harper's Bazaar US/Instagram/@emrata
“Os pelos no corpo são mais uma oportunidade das mulheres exercitarem sua capacidade de escolher”, declarou Emily Ratajkowski na Harper’s Bazaar

 

A foto de Emily representa um gesto significativo. Afinal, em pleno 2019, há quem associe pelos nos corpos de mulheres à falta de higiene. A opção por não se depilar ainda choca e não é completamente aceita pela sociedade.

No artigo, ela explica que no caso dela a vontade de se depilar é algo que varia. “Normalmente gosto de me depilar, mas às vezes deixar os pelos do meu corpo crescerem é o que faz com que me sinta sexy. E não há uma resposta certa, nenhuma opção que me faça mais ou menos feminista”, completou.

A publicação acompanha um ensaio, no qual  Ratajkowski aparece com sutiã preto de renda. Com styling de Miguel Alberto Enamorado, os cliques são de Michael Avedon.

Reprodução/Instagram/@emrata
Emily Ratajkowski é uma das modelos mais renomadas da atualidade

 

Reprodução/Instagram/@emrata
Ela reconhece que algumas noções de sensualidade estão associadas a uma cultura machista

 

Emily Ratajkowski nasceu em Londres, na Inglaterra, mas cresceu nos Estados Unidos. Começou a ser modelo aos 14 anos e fez faculdade na Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA). No currículo, tem trabalhos para grifes como Versace, Marc Jacobs e Dolce & Gabbana. Ela também é atriz.

 

 

Colaborou Rebeca Ligabue

SOBRE O AUTOR
Ilca Maria Estevão

Bacharel em psicologia pela Universidade Georgetown, em Washington D.C. (EUA). É apaixonada por moda e acompanha toda movimentação no universo fashion.

Últimas notícias