*
 
 

A princesa Diana ocupa um lugar especial nos corações das pessoas ao redor do mundo. Além de ter feito trabalho humanitário e de possuir verdadeira afeição por crianças, ela também era dona de um estilo singular que cativa o público até hoje.

O senso de moda autêntico, como muitos afirmam, esteve presente bem antes de ela se tornar princesa. Do momento em que foi clicada numa creche em 1980 até sua trágica morte em 1997, Diana pavimentou uma trajetória fashion criadora de inúmeras tendências.

Além dos decotes sensatos, das inúmeras saias de seda e de um toque particular e estruturado de alfaiataria, Diana também ficava elegante usando simplesmente jeans e camiseta. Sabendo disso e tendo uma noção clara de que a moda atual trouxe todo o glamour dos anos 1980 e 1990 de volta às passarelas, resolvi falar sobre as maiores inspirações da princesa.

Preparado para relembrar? Então, vem comigo!


Conhecida como a monarca que mais criou um statement na arte de se vestir, Diana adotou perfeitamente a etiqueta real enquanto também definia suas próprias regras de moda, como não usar luvas em visitas oficiais e tornar a Lady Dior uma das bolsas mais emblemáticas e cobiçadas do mundo.

Os looks eram tão memoráveis que, recentemente, as Vogues Paris e Espanha fizeram editoriais inspirados na famosa princesa para suas edições de abril. As produções tiveram tanto em comum com as atuais peças de primavera das marcas que o mesmo vestido rosa ready-to-wear da última temporada da Valentino serviu de protagonista para cliques distintos.

Divulgação

 

Na publicação espanhola, a modelo Sunniva Vaatevik recriou um estilo mais próximo da realidade. A loira, fotografada por Alvaro Beamud Cortes, aparece com um penteado bem próximo ao que Diana usava em meados de 1986, vestindo produções de marcas renomadas, como Chanel e Dior. Isso sem falar na simulação de William & Harry, em uma clara alusão às fotografias em família.

 

Já na publicação parisiense, a badalada modelo Edie Campbell retrata Diana numa versão mais lúdica. O visual escolhido para o editorial clicado por Alasdair McLellan é a fase mais adolescente da princesa, na qual ela aparecia se divertindo em diversas festas e curtindo a juventude, que, de certa forma, nunca desfrutou.

 

Diana antes do casamento
Antes de ser conhecida pelos holofotes mundiais, Lady Diana Spencer era apenas uma tímida babá londrina. Pode parecer surpreendente, mas sabe-se que, antes de se casar, ela não demonstrava nenhum interesse em moda. Isso viria a mudar em pouco tempo, com a ajuda de Anna Harvey, uma das editoras de moda da Vogue Britânica. Harvey se ofereceu para ajudar a princesa a encontrar e definir seu estilo.

“No começo, ela era incrivelmente pouco sofisticada, mas estava aberta a ideias e sabia do que gostava. Usava sempre estilistas britânicos porque achava algo positivo para a indústria da moda de seu país. Por ser uma garota muito inglesa, o estilo romântico combinava com ela”, declarou a stylist em uma carta aberta à Vogue, em 1997.

Vale lembrar que a jovem princesa tinha de seguir um código de vestimenta estrito. Isso incluía vestir-se de forma apropriada para a ocasião e de acordo com quem ela conhecesse – fossem crianças ou pessoas da própria realeza. Antes do grande casamento, ela ainda cometeria alguns erros, como o episódio do vestido tomara que caia produzido por Elizabeth e David Emanuel – algo muito ousado para aqueles dias.

Reprodução/SplashNews/DailyNews
“Naquela época, ela era curvilínea. Não era gorda, mas o decote ficou evidente. Mas achamos que ela estava ótima no vestido. Nós não esperávamos aquela reação. A partir daquele momento, Diana se tornou um ícone da moda”, disse Elizabeth, em uma entrevista para a rede americana CBS.

O vestido de noiva da princesa Diana incorporava uma estética bem oitentista. Apesar de atualmente ser visto como algo datado, na época, o véu comprido, as mangas bufantes e os muitos metros de tafetá se tornaram uma tendência entre as adolescentes da época, que também queriam encontrar seu próprio “príncipe”.

getty Images

 

Anos 1980
Quando o amor pela moda e sua confiança aumentaram, Diana começou a fazer escolhas mais inovadoras, especialmente se a compararmos com outros membros da família real. “Nós a vemos ficando mais confiante ao longo de sua vida, assumindo cada vez mais o controle de como se apresentava ao público e se comunicando inteligentemente por meio de suas roupas”, declarou Eleri Lynn, curadora da exposição Diana: Her Fashion Story. 

Em meados da década de 1980, a princesa apostava em vestidos de noite arrojados, terninhos coloridos, estampas extravagantes e uma imensidão de chapéus nos mais variados tamanhos e estilos. As texturas variadas valorizavam o brilho reluzente do lamê, a leveza da seda, o glow das lantejoulas e o glamour atemporal do veludo. Ombreiras, maxijoias e, é claro, coroas, também não ficavam de fora.

Reprodução/People/GettyImages/Instagram/SplashNews/Elle/Vogue/Daily Mail
Vale lembrar que nessa época ela popularizou o vestido azul-escuro Victor Edelstein, o qual usou para dançar com John Travolta em uma visita à Casa Branca. Além dele, a jaquetinha de Catherine Walker inspirada no estilo de Elvis Presley e adornada com pérolas também é uma das peças mais celebradas.

Getty Images/DailyMail/NewYorkTimes

 

Anos 1990
Diana chegou aos anos 1990 mais segura sobre seu próprio estilo. No inicio da década, ela ainda recorria a itens do guarda-roupa oitentista, mas sempre modernizando os looks por meio de acessórios.

O vestiário de trabalho era inundado com terninhos ajustados e vestidos floridos. Gradativamente, ela se aventuraria em designers e marcas de outras nacionalidades. Peças mais reveladoras e sensuais estariam em voga no closet da princesa, mas o processo de transição foi progressivo e aconteceu diante de uma adversidade: o fim de seu casamento.

Getty Images
Apesar das tragédias pessoais, o inicio da década consolidaria a princesa como a mulher mais elegante do mundo, e ela utilizou a moda a seu favor. Em 1994, Charles admitiu em rede nacional ter sido infiel durante o matrimônio. A resposta veio por meio daquele vestido que ficaria conhecido como o Revenge Dress. O modelo feito sob medida e assinado por Christina Stambolian revelava os ombros bronzeados e as pernas longilíneas de Diana, deixando todo mundo de queixo caído.

Getty Images
Diana também se renderia à realeza da moda, usando Chanel, Versace e Dior em diversas ocasiões. A valorização da silhueta, os tons suaves e a opção de estilos mais leves e minimalistas definiriam suas escolhas a partir de 1995. Até hoje, os modelitos usados por ela em seus últimos anos de vida são símbolos de beleza, delicadeza e sofisticação – atributos que a princesa tinha de sobra.

 

Relembre mais looks da Lady Di em nossa galeria. Para mais novidades sobre o mundo da moda, visite meu Instagram.



 


modaVogue ParisPrincesa DianaVogue Espanha