Dia do Orgulho LGBTI: conheça fashionistas que atuam em prol da causa

Personalidades como Billy Porter, Indya Moore e Ezra Miller usam sua visibilidade para desconstruir padrões e fazer a diferença

atualizado 28/06/2019 15:17

Sean Zanni/Patrick McMullan via Getty Images

Nesta sexta-feira (28/06/2019), é celebrado mundialmente o Dia do Orgulho LGBTI (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e intersex).

A data marca um episódio ocorrido no bar Stonewall Inn, em Nova York, em 1969. Abusos policiais e discriminação com os frequentadores LGBTI eram recorrentes no local, até que um grupo de pessoas reagiu aos ataques e causou uma rebelião. Um ano mais tarde, foi organizada a primeira parada do orgulho da comunidade, para lembrar a ocorrência e lutar contra o preconceito.

Infelizmente, a violência contra pessoas por causa de orientação sexual e/ou identidade de gênero não acabou até hoje. O Brasil registra uma morte por homofobia a cada 16 horas, de acordo com dados divulgados em fevereiro pelo Ministério dos Direitos Humanos. Em meio a tantas repressões, há inúmeras pessoas que batalham por respeito e igualdade, inclusive na moda.

No meio fashion, nomes como Billy Porter, Indya Moore, Evan Rachel Wood e Ezra Miller usam a visibilidade que conquistaram ao longo dos anos para fazer a diferença.

Vem comigo!

Billy Porter

Nos tapetes vermelhos por onde passa, Billy Porter faz questão de deixar uma mensagem de liberdade e autoexpressão. O ator, cantor e compositor ousa com vestidos, cores e capas para lá de extravagantes. Ele vê nos próprios looks uma forma de desconstruir o estereótipo de masculinidade.

Abertamente gay, o artista norte-americano é casado com o empresário Adam Smith. Porter começou a carreira como ator da Broadway e ficou conhecido mundialmente pelo papel de Pray Tell, na série Pose, depois de atuar em diversas produções de TV e filmes. O personagem rendeu a ele indicações ao Globo de Ouro e Critics’ Choice Awards. Como músico, já lançou quatro álbuns.

Mesmo com seus visuais statement da cabeça até os pés, o ator já disse que nunca se chamaria de ícone fashion. “Outras pessoas estão dizendo isso sobre mim, então eu aceito. Sempre quis ter um impacto na moda. Então, é um sonho que se tornou realidade”, declarou à ABC Radio.

Dan MacMedan/Getty Images
O smoking com saia de Billy Porter no Oscar 2019 chamou bastante atenção

 

Taylor Hill/FilmMagic via Getty Images
Seus looks desconstroem a ideia da masculinidade heteronormativa

 

Sean Zanni/Patrick McMullan via Getty Images
Sempre extravagantes, seus visuais transmitem uma mensagem de liberdade e desconstrução de padrões

 

Sean Zanni/Patrick McMullan via Getty Images
Adam Smith e Billy Porter, casados desde 2017

 

Reorodução/Instagram/@theebillyporter
Billy Porter esbanja personalidade

 

Indya Moore

Conhecida principalmente pelo trabalho na série Pose, Indya Moore é atriz e também modelo. Indya se reconhece como não binária (não se identifica totalmente com o gênero feminino nem masculino), mas aceita ser chamada como mulher trans. Fashionista, ela chama atenção nos red carpets e já fez trabalhos para grifes renomadas, como Louis Vuitton, Gucci e Dior.

Aos 24 anos, ela entrou para a história como a primeira pessoa trans a estampar a capa da Elle norte-americana. Além de aparecer em cliques de Zoey Grossman, a modelo se pronunciou contra o preconceito e as dificuldades que a comunidade sofre. Também comentou a violência e os abusos sexuais vividos na adolescência.

“Não sei me divertir, não sei qual é o meu restaurante favorito. Quando estou com pessoas conversando sobre o dia delas, penso: ‘O que elas poderiam estar falando? Como não estão falando sobre a desconstrução da supremacia branca agora? Como não estamos tentando salvar as pessoas trans?’”, declarou Indya na entrevista à Elle. “Não sei quem eu sou quando não estou pensando em tentativas para ser livre e encontrar segurança para mim e outros como eu”, afirmou.

Quando aparece na mídia, a norte-americana aproveita a visibilidade para divulgar a causa LGBTI, questões sociais e a luta para banir a discriminação. Além disso, sempre usa as redes sociais para postar mensagens de conscientização.

Reprodução/Elle USA
Indya saiu na capa da Elle norte-americana neste ano. A publicação rendeu um shooting incrível

 

Reprodução/Instagram/@indyamoore
Na série Pose, Indya interpreta Angel Evangelista – uma mulher trans que se prostitui em busca de sobrevivência

 

 

Astrid Stawiarz/Getty Images for Ketel One Family-Made Vodka
Indya se reconhece como não binária, mas aceita ser chamada no feminino

 

Amanda Edwards/Getty Images
A atriz e modelo arrasa com looks descolados, sempre trazendo um toque de charme

 

 John Lamparski/Getty Images
Indya Moore no MET Gala de 2019
Lachlan Watson

O artista de 18 anos conquistou o público na série O Mundo Sombrio de Sabrina, interpretando Susie/Theo Putnam – uma garota que se reconheceu como um rapaz trans. Watson se identifica como não binário, mas nem sempre foi assim. Nascido no sexo feminino, se considerou um homem trans entre 3 e 15 anos de idade. Quanto à sexualidade, sente atração por pessoas sem distinção de gênero (pansexual).

Antes de atuar na produção da Netflix, fez vários papeis no teatro e aparições menores em outras séries. Nos posts do Instagram, Watson compartilha com os seguidores várias fotos com visuais andróginos. Seus looks misturam peças femininas e masculinas, resultando em produções cheias de originalidade e personalidade.

Reprodução/Instagram/@
Lachlan Watson é um artista não binário que interpreta Theo Putnam em O Mundo Sombrio de Sabrina. Inicialmente, seu personagem era uma garota (Susie) amiga da protagonista. À medida que os episódios avançaram, passou a se identificar como homem trans

 

Reprodução/Instagram/@
Pelo Instagram, compartilha fotos cheias de personalidade

 

Reprodução/Instagram/@
Watson adora visuais com originalidade e estilo

 

Reprodução/Instagram/@
Seus looks também carregam uma pegada artística

 

Reprodução/Instagram/@
Para Lachlan Watson, não há barreiras de gênero

 

Sam Smith

Sam Smith já ganhou quatro Grammys, um Globo de Ouro e um Oscar. O sucesso do cantor, que emplacou hits como Stay With Me, Too Good at Goodbyes e Writing’s on the Wall, é crescente e inquestionável. Além da música, o artista chama a atenção no universo fashion.

Neste ano, Sam revelou se identificar como não binário. Ao conceder uma entrevista para a atriz Jameela Jamil, no Instagram, afirmou que sempre esteve em conflito com o próprio corpo e mente. “Não sou homem nem mulher. Eu acho que flutuo em algum lugar entre os dois”,  disse. O britânico também destacou sua constante reflexão sobre uma possível mudança de sexo.

O estilo de Sam é genderless e despojado. Atualmente, ele exibe um visual que inclui ternos, camisas de renda, saltos, vestidos e quimonos floridos. A atitude tem influenciado seus fãs a vestirem aquilo que os faz bem, independente do gênero ao qual as peças foram designadas.

Reprodução/samsmith
Sam Smith é ícone da música e da moda

 

Reprodução/Instagram/@samsmith
O premiado cantor revelou neste ano que se considera não binário

 

Reprodução/Instagram/@samsmith
Sam tem um estilo ousado e elegante

 

Reprodução/Instagram/@samsmith
Ele não dispensa vestidos com brilho e candy colors

 

Reprodução/Instagram/@samsmith
Gosta de acrescentar saltos poderosos em looks casuais

 

Stephane Cardinale - Corbis/Corbis via Getty Images
O britânico é ligado na moda e recentemente foi conferir um desfile da Givenchy

 

Evan Rachel Wood

A estrela da série Westworld atua, canta, dirige e não deixa a desejar como ícone fashion. Para os red carpets, gosta de terninhos sofisticados e um toque rocker. Em 2011, revelou ser bissexual por meio de uma entrevista à revista Esquire. Desde então, tem usado sua visibilidade como plataforma de ativismo para se comunicar com a comunidade bissexual – muitas vezes invisibilizada no meio LGBTQ.

Quando o assunto é moda, Wood diz que seus principais ícones de estilo são David Bowie e Tilda Swinton. De ambos, a artista tomou como referências a pegada glam-rock e a androginia. Entre as grifes, admira Altuzarra e Dolce & Gabbana.

Sobre a relação entre moda e ativismo, destaca a importância em ser honesta e aberta sobre si mesma. “Se eu puder fazer isso me comprometendo realmente com uma mensagem ou declaração por trás, se vai estar no centro das atenções de qualquer maneira, então eu gostaria de tirar proveito disso, e ser o tipo de modelo que eu desejava ser quando estava crescendo”, contou.

Tara Ziemba/Getty Images
A atriz e música Evan Rachel Wood revelou ser bissexual em 2011

 

Axelle/Bauer-Griffin/FilmMagic via Getty Images
Para os tapetes vermelhos, os conjuntos de alfaiataria são suas principais escolhas

 

Vivien Killilea/Getty Images for Kat von D Beauty via Getty Images
Mesmo assim, não dispensa vestidos descolados de vez em quando

 

Gabriel Olsen/FilmMagic via Getty Images
A artista tem uma vibe rocker e se inspira no estilo de David Bowie e Tilda Swinton

 

Gregg DeGuire/Getty Images
Visual chique e sofisticado

 

Laverne Cox

Mulher trans, Laverne Cox é uma das figuras mais lembradas quando se fala em inclusão e representatividade. Em 2014, ela se tornou a primeira pessoa transexual a ser indicada ao Emmy Awards, pelo trabalho como Sophia Burset em Orange is The New Black. Recentemente, participou do clipe de You Need to Calm Down, de Taylor Swift, que foi lançado em homenagem ao mês do orgulho LGBT.

A atriz é uma das defensoras da inclusão de mulheres trans na busca pela igualdade de gênero e pelos direitos das mulheres no geral. “Ser uma feminista interseccional significa que temos que abraçar mulheres de todos os tipos, de todas as raças, nacionalidades, habilidades, identidades de gênero, e isso é animador”, disse à Vogue.

“A coisa mais importante que podemos fazer é elevar as experiências vividas e as vozes das pessoas trans reais, para que as pessoas não estejam falando sobre nós sem estarmos à mesa, sem estarmos na sala. Temos que empoderar as pessoas trans, levantando suas experiências e suas histórias”, explicou Laverne Cox em outra oportunidade, durante entrevista à The CUT.

Uma das bandeiras levantadas por ela também é o fim do deadnaming. A prática consiste na divulgação de nomes de nascimento de artistas transgêneros sem consentimento, o que pode perpetuar preconceito e até violência. Um dos sites que fez isso com Laverne Cox foi o IMDb. Constantemente, o Glaad, organização que monitora as representações na mídia de gays, lésbicas, bissexuais e transexuais, pede ao portal que pare com o hábito.

Quando o assunto é moda, Laverne Cox não deixa a desejar. Ela aposta em visuais que misturam sofisticação e sensualidade. Gosta de caprichar nas fendas, no brilho e no decote.

Reprodução/Netflix
Laverne Cox interpreta Sophia Burset em Orange is The New Black

 

Nicholas Hunt/Getty Images
Ela investe em visuais assimétricos

 

John Lamparski/Getty Images
Laverne também curte uma vibe sexy

 

John Shearer/WireImage/via Getty Images
A atriz arrasa nos red carpets. Em 2015, ela escolheu um modelito monocromático para o Emmy Awards

 

Taylor Hill/FilmMagic/via Getty Images
Laverne Cox no MET Gala de 2019

 

Ezra Miller  

Você certamente deve ter reparado em Ezra Miller nos últimos tempos. Em maio, ele foi um dos destaques entre os looks do tradicional MET Gala. O baile, que marca a abertura da exposição anual do Instituto de Vestuário do Metropolitan Museum, teve como tema o camp, marcado pelos exageros. Por isso, o ator caprichou com um look da Burberry e maquiagem surrealista.

No currículo, Ezra tem filmes marcantes, como As Vantagens de Ser Invisível, Precisamos Falar Sobre o Kevin, Liga da Justiça e Animais Fantásticos. Além de ator, o norte-americano é modelo e músico, inclusive canta na banda Sons of an Illustrious Father.

Além de falar abertamente sobre sua sexualidade e afirmar que ama as pessoas sem considerar o gênero, ele se declara queer. “Não me identifico como homem, não me identifico como mulher. Mal me identifico como humano”, esclareceu em entrevista ao Hollywood Reporter. Ezra também atua em prol de causas ambientais.

Pascal Le Segretain/Getty Images
Ezra Miller é intenso: gosta de looks chamativos e extravagantes

 

Karwai Tang/Getty Images
No MET Gala 2019, ele chamou atenção com um dos melhores visuais da noite

 

JB Lacroix/ WireImage/via Geety Images
Em evento do filme Liga da Justiça, em 2017, usou terno e batom rosa

 

Reprodução/Playboy
Quando posou para a Playboy, investiu na transparência e nos detalhes de renda

 

Jeff Spicer/Getty Images
Look da Givenchy inspirado na coruja Edwiges, de Harry Potter

 

Getty Images/Getty Images for Dior
O ator norte-americano arrasa!

 

Hayley Kiyoko

A cantora norte-americana é carinhosamente chamada de “Jesus Lésbica” pelos fãs. Hayley começou a se destacar na música em 2015, com o single Girls Like Girls. Na época, chamou atenção por discutir abertamente sua sexualidade nas canções. Assim como a popstar Halsey, está contribuindo para o fim da fetichização das relações entre garotas na cultura pop.

Ao site Refinery29, a artista comentou que executivos da indústria já questionaram o porquê de seus videoclipes sempre retratarem o amor entre mulheres. “Taylor Swift canta sobre homens em todas as canções e vídeos e ninguém diz que ela não é original. Eu não estou sexualizando minha música. Eu fico com mulheres porque as amo, não porque estou tentando ser sexy”, argumentou.

“Quando você está na comunidade LGBTQ, não é comum ouvir sua música tocando no rádio. É mais comum ser underground e ‘left of center’, com um núcleo seletivo que ouve essa música. É por isso que este é um momento emocionante para quebrar essas barreiras”, disse à revista i-D sobre o destaque da música queer.

O estilo de Hayley é bem-versátil: inclui combinações básicas, vestidos e terninhos. Suas escolhas fashion transmitem a liberdade de brincar com vários estilos e gêneros. A popstar já foi convidada para a primeira fila de alguns desfiles da Semana de Moda de Nova York, como Christian Siriano, Dion Lee e Opening Ceremony. Para sua aparição como convidada surpresa em um show de Taylor – que reconheceu a relevância da crítica feita na entrevista –, usou um look personalizado da Dsquared2.

Reprodução/Instagram/@hayleykiyoko
Hayley Kiyoko é chamada carinhosamente pelos fãs de “Lesbian Jesus”

 

Reprodução/Instagram/@hayleykiyoko
A artista norte-americana tem um estilo despojado e não se prende aos estereótipos de gênero

 

Reprodução/Instagram/@hayleykiyoko
Sua música fala abertamente sobre relações entre garotas, tema que a cultura pop costumava fetichizar

 

Reprodução/Instagram/@hayleykiyoko
Hayley é convidada para a primeira fila em desfiles da Semana de Moda de Nova York

 

Reprodução/Instagram/@hayleykiyoko
Look personalizado Dsquared2 para a aparição surpresa de Hayley em um show de Taylor Swift

 

Colaboraram Hebert Madeira e Rebeca Ligabue

Últimas notícias