Conheça a história de cinco bolsas icônicas da moda

Modelos clássicos da Dior, Chanel, Hermès, Fendi e Louis Vuitton são cheios de história e estão entre os mais queridos das fashionistas

Christian Vierig/via Getty ImagesChristian Vierig/via Getty Images

atualizado 24/06/2019 20:43

A cada nova temporada, as marcas de luxo apresentam inúmeras opções de bolsas. Entre alguns modelos novos, aparecem versões reeditadas de itens clássicos.

Durante os anos de 1990 e 2000, o termo it bag foi muito usado para se referir àquelas que vendiam muito e se tornavam febre no meio fashion. Algumas, lançadas antes mesmo desse período, tornaram-se atemporais. Um bom exemplo é a 2.55, da Chanel, que ganhou uma versão reeditada por Karl Lagerfeld, mas ainda mantém o design original.

Por isso, separei cinco bolsas entre os modelos mais icônicos da moda. São peças de marcas como Fendi, Hermès, Louis Vuitton e Dior. Clássicas, elegantes e sofisticadas, cada uma carrega doses da herança de cada maison.

Vem comigo conferir!

Baguette, da Fendi

A bolsa criada em 1997 era uma das favoritas da personagem Carrie Bradshaw (Sarah Jessica Parker) na série de TV Sex and The City. A ideia foi de Silvia Venturini Fendi, neta da fundadora da marca, Adele Fendi, e atual diretora criativa das linhas masculina e de acessórios. Seu desejo era desenvolver um modelo prático e espaçoso.

O nome Baguette é inspirado em um pão alongado que é carregado debaixo do braço, na França. Um de seus detalhes marcantes é o fecho metálico com o FF da marca. O modelo foi reeditado em diferentes coleções, ganhando novos tamanhos, materiais, estampas e texturas – no entanto, sempre manteve o formato retangular.

Depois de relançá-la na coleção primavera/verão 2019, a grife investiu em novas versões da bolsa para o outono/inverno 2019/2020. A temporada traz logomania, detalhes em alto-relevo, bordados e, até, uma versão pochete.

Reprodução/Fendi
Baguette, uma das bolsas mais queridas da Fendi

 

Kirstin Sinclair/Getty Images
Silvia Venturini Fendi, diretora criativa de acessórios, masculino e infantil da Fendi, queria criar uma bolsa prática e espaçosa

 

Reprodução/HBO
A personagem Carrie Bradshaw, da série Sex and the City, adorava o modelo

 

Christian Vierig/Getty Images
Ao longo dos relançamentos, o item ganhou várias cores, materiais e detalhes diferentes

 

Lady Dior, da Dior

Em 1995, a princesa Diana ganhou uma bolsa de presente da então primeira-dama da França, Bernadette Chirac, ao visitar Paris. Em seguida, foi fotografada com o gift em diversos momentos. Isso fez o modelo, até então chamado Chouchou, ser rebatizado como Lady Dior, tornando-se um clássico da marca francesa. Além da Princesa de Gales, várias outras celebridades adotaram o item da Dior.

O modelo foi lançado em 1994, sob direção criativa de Gianfranco Ferré, e tem berloques metálicos com as letras que formam o nome da grife. A costura matelassê do couro de cordeiro, nas versões mais clássicas, é inspirada no cannage, uma técnica utilizada na trama das cadeiras Napoleão III – nas quais os convidados se sentaram para assistir ao desfile de estreia da etiqueta, em 1947. As maiores variações ao longo do ano foram nas cores, aplicações, texturas e tamanhos.

Maria Grazia Chiuri, diretora criativa da Dior desde 2016, criou o projeto Lady Dior Art. Com a iniciativa, a label convida artistas ao redor do mundo para criarem a própria versão da bolsa. A terceira edição, em dezembro do ano passado, teve 11 colaborações com designers mulheres.

Reprodução/Dior
Lady Dior, it bag da grife francesa

 

Tim Graham Photo Library via Getty Images
Lady Diana Spencer foi a responsável pelo nome da bolsa

 

Tim Graham Photo Library via Getty Images
A Princesa de Gales foi vista com a peça várias vezes depois de ganhar uma de presente da então primeira-dama da França, Bernadette Chirac

 

Reprodução/Dior
Penduricalho com as letras que formam o sobrenome de Christian Dior

 

Edward Berthelot/Getty Images
O matelassê estilo cannage é um dos charmes da bolsa

 

2.55, da Chanel

Esta não foi a primeira, mas é a bolsa mais icônica da Chanel. Lançada em fevereiro de 1955, foi batizada com os números da data. O modelo inovou ao acrescentar alças de corrente nas tradicionais clutches utilizadas pelas mulheres da época. A ideia veio das pastas usadas pelos carteiros, além de ser uma forma de descansar as mãos. Há rumores de que um bolso interno com zíper foi criado para guardar cartas de amor de Coco Chanel.

Ao assumir a direção criativa da grife, em 1983, Karl Lagerfeld lançou nada menos que 30 novas versões da 2.55. Entre elas, as mais famosas são a Classic Flap, com as letras “CC” no fecho e couro entrelaçado nas correntes. No entanto, as correntes da versão tradicional da 2.55 ainda são feitas somente de metal. O fecho retangular se chama Mademoiselle.

Cada modelo passa pelas mãos de até 15 artesãos. O couro passa por testes de temperatura e umidade, o que leva várias horas do tempo de fabricação. Um de seus detalhes mais marcantes e clássicos é o matelassê.

Reprodução/Chanel
2.55, com fecho retangular, e a Classic, versão de Karl Lagerfeld

 

Christian Vierig/Getty Images
A Classic, versão da 2.55 reeditada por Karl Lagerfeld nos anos 1980, tem o CC da grife no fecho e couro entrelaçado nas alças

 

Edward Berthelot/Getty Images
A versão tradicional da 2.55 tem o fecho retangular Mademoiselle

 

Speedy, da Louis Vuitton

Esta foi a primeira bolsa de mão da Louis Vuitton, lançada na década 1930. Originalmente, chamava-se Express. Queridinha de Audrey Hepburn nos anos 1960, ela é uma versão menor das tradicionais Keepall, malas de luxo da marca. A atriz, inclusive, pediu uma versão com 25 centímetros, cinco a menos que o tamanho convencional. Hoje, há também versões com 35 e 40 centímetros.

Além do monograma icônico da LV, outras estampas tradicionais desse modelo são as quadriculadas Damier Ebene (xadrez marrom) e Damier Azure (xadrez branco e cinza). Mesmo com a alça curta para ser usada nas mãos, ela pode ser pendurada no ombro com uma alça maior. O formato lembra as bolsas que os médicos usavam no século passado.

Assim como as outras it bags, a Speedy ganhou várias versões, estampas e colaborações ao longo dos anos. Uma delas, desenvolvida por Marc Jacobs em 2010, foi inspirada na diretora de cinema Sofia Coppola. Artes de Yayoi Kusama e Claude Monet também estamparam o modelo icônico.

Reprodução/Louis Vuitton
Versões mais clássicas da bolsa Speedy

 

Staff/Mirrorpix/Getty Images
Na década de 1960, o modelo foi popularizado pela atriz Audrey Hepburn. A foto é de 1966

 

Peter Stone/Mirrorpix/Getty Images
Em 1984, quase 20 anos depois, a atriz continuava apaixonada pela bolsa

 

Kelly, da Hermès

Depois de ganhar um protótipo em 1892, o modelo conhecido como Kelly foi criado em 1935 e ficou conhecido com o nome Sac à Dépêches. A fama internacional veio graças à atriz Grace Kelly. Durante a filmagem de Ladrão de Casaca (1955), de Alfred Hitchcock, ela conheceu o item e se apaixonou.

A estrela de Hollywood eternizou a peça quando a usou para esconder a barriga de grávida dos paparazzi, no ano de 1956. A foto foi parar na capa da revista Life. Em 1977, a bolsa foi rebatizada como Kelly.

O visual clean e discreto deste modelo faz dele uma opção clássica e elegante, mas contemporânea ainda assim. O processo de fabricação pode levar mais de 18 horas, já que passa pelas mãos de um único artesão. A Kelly é uma das bolsas mais populares da marca, junto a Birkin, que tem um ar mais despojado.

Reprodução/Hermès
Kelly, uma das principais bolsas da Hermès

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por SO YOU | Бренд одежды (@soyoudress) em

 

Christian Vierig/Getty Images
Chique e clean

 

Reprodução/Hermès
Material usado na montagem de uma Kelly

 

Christian Vierig/Getty Images
O modelo popularizado por Grace Kelly continua um clássico

 

Colaborou Hebert Madeira

SOBRE O AUTOR
Ilca Maria Estevão

Bacharel em psicologia pela Universidade Georgetown, em Washington D.C. (EUA). É apaixonada por moda e acompanha toda movimentação no universo fashion.

Últimas notícias